14 de maio de 2007

O prego


Era uma vez um rapazinho que tinha um temperamento muito explosivo.
Um dia, o pai deu-lhe um saco cheio de pregos e uma tábua de madeira.
Disse-lhe então, que martelasse um prego na tábua, cada vez que perdesse a paciência com alguém.
No primeiro dia o rapaz pregou trinta pregos na tábua. Já nos dias seguintes, enquanto ia aprendendo a controlar a ira, o número de pregos martelados por dia, foi diminuindo gradualmente.
Ele foi descobrindo que dava menos trabalho controlar a ira, do que ter que ir todos os dias pregar pregos na tábua.
Finalmente chegou o dia em que não perdeu a paciência uma vez que fosse. Falou com o pai sobre seu sucesso e sobre como se sentia melhor, por não explodir com os outros. O pai sugeriu-lhe que retirasse todos os pregos da tábua e que lha trouxesse.O rapaz trouxe então a tábua, já sem os pregos, e entregou-a ao pai. Este disse-lhe:
- Estás de parabéns, filho! Mas repara nos buracos que os pregos deixaram na tábua. Nunca mais ela será como dantes. Quando falas com raiva, as tuas palavras deixam marcas como esta. Podes enfiar uma faca em alguém e depois retirá-la, e não importa quantas vezes peças desculpas - a cicatriz lá continuará.
Uma agressão verbal é tão violenta como uma agressão física.

Desculpem-me aqueles a quem deixei marcas na sua tábua!

6 comentários:

carla mar disse...

PERDOEI todos os que me magoaram.
caminho com os "mortos" que um dia amei...
olho nos olhos dos "amigos" q não me entenderam...
apaguei as memórias daquele dia.
PERDOEI, aquele, que um dia... decidiu por, um ponto final, na minha vida...
PERDOEI, pq descobri q a paz q sinto é infinitamente maior q td o resto.
PERDOEI... olho no olho.
mágoas? nenhuma. que ele encontre a PAZ. o afecto e os sorrisos :)

Kim disse...

Sabes Carla, eu também acho que se deve sempre perdoar.
A paz interior que isso nos transmite não é descrítivel.
No entanto, aceito aqueles que não perdoam.
Quem não precisar de ser perdoado, que atire a primeira pedra.

Anónimo disse...

Conheço bem esta estória..
O meu Pai contou e fala muitas vezes nela.

Eu tenho o coração pertinho da boca e ás vezes esqueço de contar até dez..

Mas com os erros também aprendemos e ensinámos..

I.R.

Anónimo disse...

Lindo texto KIM!

Eu o conhecia, já haviamos feito um reflexão sobre ele lá no meu escritório; e, hoje por coincidencia falamos algo parecido, ou seja, a pedra jogada, a ofensa dita, e a ... (não lembro bem o que) depois de lançadas, não se pode tirar, mesmo que se tenha pedido desculpas.

Spuk

o.r. disse...

TU
com atua maneira de SER
não deixas MARCAS.
Abraço

Rui Salvador disse...

E tantos pregos que já espetei em tantas tábuas. O que vale é que a idade vai-nos refinando!