7 de maio de 2007

O Chora


No início dos anos trinta, aqui prós lados da Porcalhota, começaram a circular estes luxuosos mostrengos, em substituição duma traquitana, puxada por quatro cavalos, que, para além de passageiros, transportava também o correio.
Eram conhecidos, pelo nome de “carros do Chora.”
A designação devia-se ao facto, do seu proprietário, Eduardo Jorge, se lamentar sempre, que não tinha lucros.
Faziam a delícia da miudagem, e o desenrasca dos bolsos vazios, já que a escada existente na parte traseira e superior a isso convidava.
Não neste, mas noutros, mais recentes, algumas vezes neles me pendurei e outros tantos sustos apanhei.
Pelos bancos desta relíquia, passaram os primeiros colonos, maciçamente alentejanos, no desbravar da Porcalhota.
Longe de mim imaginar que viria a passar metade da minha vida e a escrever estas memórias, no preciso local onde se situava a garagem­­­­­­­­, o terminal e a sede do Chora.
Solte-se a memória dos nossos egrégios avós.

7 comentários:

Anónimo disse...

Aqui chamavam-se de "Marinete" ou de "Cafuringa", mas não andei em nenhuma delas, só as conheci de fotos e historias.

Spuk

M C disse...

Como Alentejana, que andou nas camionetas do Eduardo Jorge,também recordo a imagem da foto

carla mar disse...

no tempo em q eu nasci, n havia disto :(
só conheço, os do museu do brinquedo!

Anónimo disse...

É pois...
A vida dá voltas e curvas
Aprendemos, desaprendemos e depois aprendemos outra vez...
E nunca imaginei.. Deixei de chorar e aprendi a gostar de favas...

O "Chora" agora fez-me rir..
Em miúda as minhas irmãs diziam:
Podes começar o choro, hoje tens favas no jantar..

I.R

Kim disse...

Que ironia I.R.
Se não comes favas, choras.
Eu choraria.
Um beijo pró teu filhote.

Rui Salvador disse...

O meu foi durante toda a sua vida profissional, mecânico dos carros do Chora e trabalhou muitos anos aí nessa garagem das "Portas de Benfica".

Rui Salvador disse...

O meu pai.