29 de novembro de 2007

Porque não te calas?


Fornecer petróleo a Portugal?
Até quando? Até ao dia que Chavez acordar mal disposto?
Este político-militar, de socialismo ou morte, quer eternizar-se no poder e só dele sair, acolchoado num esquife vermelho, talhado pelos ditadorzecos de igual importância, que se atrevem a afrontá-lo.
É que os pequenos ditadores, grandes ditadores se tornam.
Não sou muito de politiquices, mas a montanha pariu um rato.
O ouro negro e a megalomania dum louco à frente dum povo crente, podem levá-lo, num dia à glória, noutro ao abismo
Quem semeia ventos, colhe tempestades. Ou muito me engano ou, quando soarem as trompetas, acorrentará o seu povo e o mundo, com os grilhões de quem não olha a meios para atingir os fins.
Castro é um cordeiro tresmalhado na alcateia de Chavez
Já vi guerras, começarem por menos.
O tempo dirá se me enganei.
Porque não te vais, Hugo? Porque não te calas?

30 comentários:

BLOGADOR disse...

É o fruto da reacção a uma política que asfixiava económica e socialmente a Venezuela (cujo PIB desde 2002 cresce a taxas superiores a 10% a par da inflação a 30%).
É o típico cromo militar sul-americano.

Anónimo disse...

As políticas de Andrés Pérez e Caldera deram nisto. É dos livros.
Não morro de amores pela arrogância petrolífera Chavista. Apesar de eleito e re-eleito,(Hitler também o foi) sente-se que esta ali um ditador e que, como todos os ditadores, acabará mal. Esta emenda constitucional que o eternizará no poder também não é nova. Outros o fizeram e continuam a fazer com ou sem apoio do "amigo americano". Musharraf/Pakistão - Putin/Russia - Mugabe/Rodésia - Morales/Bolívia - Alberto João/Madeira. O populismo nem sempre dá frutos e mais ano menos ano a coisa resolve-se. É preciso renovar "energias". O povo é sereno mas não é tonto. :)
jc/.

Anónimo disse...

Precisam, outros reis e não reis a repetir e colocar em pratica o que foi brilhantemente dito pelo Rei de Espanha, aos Chaves e Morales da vida.

Como por exemplo o nosso Presidente Lula que quedou-se a tomada dos investimentos e a quebra dos contratos da Petrobras, em nome da democracia.

SPUK

Anónimo disse...

... só mais uma coisa. Por muito que se concorde com o Rei de Espanha e com as monarquias constitucionais, parece-me de mau tom mandar calar um Presidente de um País Soberano. Aí Chaves tem razão. Foi eleito e o Rei não foi.
As tendências neo-coloniais são dificeis de engolir.
Imaginemos que na proxima cimeira de Lisboa - Europa/África - a Rainha de Inglaterra mandava calar Cavaco. Pagava p'ra ver!!! :)
jc/.

Anónimo disse...

Ainda há quem diga mal de Portugal.. :)

BOM FIM DE SEMANA PARA TODOS!!

VIVÓ BENFICA!!!!!!!!!!!!!!

Anónimo disse...

Pobreza:
Em 2007 no seu relatório "Panorama social da América Latina" de esse mesmo ano, a "Comissão Económica para a América Latina e o Caribe" (CEPAL, organismo da ONU) reconheceu que a Venezuela entre 2002 e 2006, diminuiu as suas taxas de pobreza em 18,4% e indigência (pobreza extrema) em 12,3%, passando de uma pobreza de 48,2% e de uma indigência de 22,2% en 2002, para 37,9% e 15,9% respectivamente em 2005 e para 30,2 e 9,9% respectivamente em 2006.
Fontes: CEPAL, Wikipédia e TeleSUR

Anónimo disse...

Chaves não tem qualquer razão.
Se o mandaram calar, e bem, foi pela falta de respeito a falar de Aznar. Muito bem teve o rei a defender os seus. Tem a ver com um sentimento nacional, logo num País que é uma manta de regiões.
É das poucas, senão a única coisa que invejo dos espanhois, tomara que fossemos todos assim em Portugal a defender o que é nosso, Madeira incluido.

Anónimo disse...

Desemprego:
O desemprego na Venezuela era em 1999 (primeiro ano de mandato de Chávez) de 16% da população economicamente activa. Hoje, os últimos dados do INE venezuelano (Instituto Nacional de Estatísticas) mostram que baixou para 7,2%!

Anónimo disse...

Júlio, não criar polêmica, mas não foi por ter sido um rei que felicito, poderia ter sido qualquer outro presidente.

A prepotência do Chaves, é que não tem limites. Ele passa por cima de qualquer democracia, ou governo, seja Rei, Primeiro Ministro, Presidente, Congresso, ou o que vier em sua frente e não concordar com ele.

Não sou política, socióloga, ou estudiosa da matéria, mas pelo que acompanho nos noticiários e dos comentaristas econômicos e políticos, o "senhor todo poderoso" não tem limites, não respeita nada nem ninguém, e mascara todos os dados, posto que em contrapartida as estatísticas apresentadas pelos blogadores, a inflação e insatisfação na terra do Chaves é altíssima, o que aniquila os dados aqui apresentados.

Tem-se, por exemplo, a privatização da TV, das empresas e fornecedores de alimentos, ate de propriedades particulares ele se apossa.

Não vou me estender mais, mas é por ai que as coisas andam.

SPUK

Anónimo disse...

Errata.
A frase correta é:

"Júlio, não quero criar polêmica ..."

SPUK

Anónimo disse...

SPUK!!! ... MAS EU GOSTO DE POLÉMICA EHEHEHEHEH. A POLÉMICA É SALUTAR. EXERCITA OS NEURÓNIOS.
O CONTRADITÓRIO SEMPRE FEZ BEM E SÓ OS AMIGOS DISCUTEM ESTAS COISAS COM ELEVAÇÃO.
AGUARDEMOS O QUE O POVÃO DIZ HOJE EM REFERENDO.
DÁ UMA OLHADA EM: "tirem-as-maos-da-venezuela.blogspot.com"
DISCUTIR FAZ BEM AOS BLOGS! :)
JC/.

Anónimo disse...

OK! OK! OK! JC.

VC É SEMPRE FANTASTICO

SPUK

Anónimo disse...

Crescimento económico (do PIB):
Depois de vários anos de instabilidade económica de 1999 a 2004 (entre os quais se contam massivos lock-outs patronais em 2002 e a sabotagem petrolífera da oposição de direita em 2003), a Venezuela tem evidenciado um crescimento económico robusto e estável nos últimos 3 anos (ao nível de países emergentes como a China):
9,4% em 2005
10,3% em 2006
9,0% neste ano de 2007 (previsão)
Fontes: BCV e INE

Anónimo disse...

Inflação:
A inflação à que reconhecê-lo não é um forte da Venezuela. Mas já não o era muito antes de Chávez chegar ao poder. A inflação durante os anos 80 no país de Bolívar variou entre os 15 e os 80%, nos anos 90 (antes de Chávez) a situação agravou-se flutuando a inflação entre uns 31 e uns incríveis 103%. Quando Chávez chegou ao poder esta questão foi atacada com óptimos resultados: na primeira presidência de Chávez (1999-2001) a inflação variou entre 12 e 20%. Depois vieram os problemas do golpe de estado, o lock-out patronal e a sabotagem petrolífera em 2002-2003, nesses anos a inflação descontrolou-se chegando a alcançar os 34%. A partir de 2004 dá-se uma recuperação substancial do controlo da inflação e em 2005 a inflação atinge o importante nível de 14%. Mas o problema persiste por controlar cabalmente e continua a ser um tendão de Aquiles da economia venezuelana. Os últimos dados disponíveis para a inflação anual mostram uns 17% de inflação em 2006.
Fontes: BCV e INE

Anónimo disse...

Às vezes o silêncio é sinónimo de covardia.


Outras vezes o silêncio é de oiro e diz tanto...

Isabel

Anónimo disse...

Essa não percebi Isabel.
jc/.

Anónimo disse...

Alfabetização e Literacia:
Em 2001 existiam entre 6,4 e 7,5% de analfabetos na Venezuela (entre os maiores de 15 anos), conforme diferentes fontes. A UNESCO declarou a Venezuela "território livre do analfabetismo" em 2005, quando afirmou que existiam menos de 2% de analfabetos na Venezuela. Alguns até dizem que só existem 0,10% de analfabetos na Venezuela. Esta grande evolução dignificadora dos venezuelanos pobres deu-se sobretudo entre 2003 e 2005 quando o programa Missão Robinson patrociando pelo governo de Chávez, baseado no método cubano "Yo Sí Puedo", conseguiu alfabetizar mais 1 milhão e 400 mil de pessoas. Posteriormente a alfabetização avançou ainda mais, o governo bolivariano referia em 2006 que de 1,6 milhões de analfabetos em 2003 o país passou a ter apenas 16 mil.

Anónimo disse...

Eu explico J.C.

Hoje deveria ter dito não, quis dizer não e fiquei muda (chamei-lhe covardia).
Outros dias falo e esqueço que a melhor resposta seria o silêncio.

E hoje escrevi para mim
Há dias assim…

Isabel

BLOGADOR disse...

Sr. Anónimo.
Em que página do INE (presumo que se trate do Instituto Nacional de Estatística) estão esses dados? É que o INE só efectua estudos estatísticos de Portugal.

O Bicho disse...

EHEHEH!!!
A coisa está animada.
Eu cá, não digo nada.
Sou do contra. Contra os dois:
NUNCA GRAMEI REIS DA ESPANHA nem PRESIDENTES DA VENEZUELA.

Anónimo disse...

Sr.Blogador
O INE referido não é o português mas sim o venezuelano
Eu repito

Desemprego:
O desemprego na Venezuela era em 1999 (primeiro ano de mandato de Chávez) de 16% da população economicamente activa. Hoje, os últimos dados do INE venezuelano (Instituto Nacional de Estatísticas) mostram que baixou para 7,2%!

30/11/07 23:28


Anónimo R de Revolução

Anónimo disse...

Esta informação vem de um amigo brasileiro :

“Entre 1998 e 2006, a taxa de homicídios em Caracas subiu 68%. No estado de Táchira, no mesmo período, o aumento foi de 418%.
Sem que seja preciso mover céus e terras para prová-la. Basta consultar os números do governo venezuelano”

Será que é assim que diminuem o desemprego?

O Bicho disse...

Interessante pergunta essa.
É concerteza uma questão de... é só "fazer as contas".
Vamos deixar isso para o nosso Eng. Guterres resolver.

Anónimo disse...

Felizmente o Sr. Chaves não ganhou.
Por pouco, o mundo não assistia a mais uma desgraça.
Nos tempos que correm ainda há quem acredite em profetas da desgraça.
Bem vistas as coisas, de facto, o rei também o não devia mandar calar, mas às vezes um homem, de tanta asneira ouvir, perde a cabeça.
Mesmo assim, vamos aguardar para ver que Chavez esta porta vai fechar.

Anónimo disse...

Ainda bem que vou para a escola,olhem só para esta matemática!

Anónimo disse...

As urnas falaram... 51% disseram NÃO.

SPUK

Anónimo disse...

Afinal a Democracia funciona na Venezuela do "ditador-eleito Hugo Chavez", o tal que até faz referendos. Bem vistas as coisas, se tivesse ganho seria uma vigarice, como perdeu...foram as urnas que falaram! :)
Com ditadores destes, que dizer do Sócrates e da União Europeia que se recusam referendar o Tratado de Lisboa?
Parabéns América Latina!
JC/. :)

Anónimo disse...

A notícia é que “vestido com uma camisa encarnada” Chávez reconheceu imediadamente e sem dúvidas a derrota.

Ainda não perceberam que na Venezuela quem não reconhece derrota é a oposição?

Aliás, durante a campanha do referendo os apelos a não aceitar a vitória do «sim» multiplicaram-se (O governo venezuelano enviou um vídeo para o Vaticano, mostrando uma missa numa igreja de Caracas, no decorrer da qual se incitava os «fiéis» nesse sentido).
aR

Anónimo disse...

...e pronto. Por mim encerrei o capítulo Chavez!
Quim!!! ... e que tal qualquer coisita sobre o Putin?
eheheheheheheheheheeheheheheheh.
Abraços a todos.
Saudações leoninas...e a vida segue!
jc/. :)

Anónimo disse...

OK JC!

Mas a nossa imprensa diz, que o pronunciamento do Hugo Chaves, afirmando que aceitaria qualquer que fosse o resultado, foi quando os resultados da "boca de urna" davam a vitória para ele, e que depois com a apuração, o resultado foi outro, "momentaneamente" não mudou.

A esta entrevista eu assisti, e foi antes do resultado final sim!

Na noite anterior ele havia dito, que se perdesse o plebiscito, iria reaver os contratos com as empresas internacionais, tais como bancos e outras instituições.

E o Putin?
Os observadores internacionais, não acreditam na total legalidade das eleições por lá.
SPUK.