25 de outubro de 2007

Amsterdam - 9

(vinte anos depois, voltei ao Hotel Cok, com o Gigi e outros amigos)

O meu novo emprego começava às sete da manhã.
Vinte minutos a pé até à estação e outros tantos de comboio até à fábrica, davam-me manobra para poder sair do hotel, uma hora antes.
Ao que me foi explicado, situava-se quase frente à estação.
À minha saudação de – bom dia Mr Urgens, obtive como resposta, uma mão no ar segurando um pequeno saco igual ao do dia anterior.
Mais uma vez a primeira refeição era servida ao sair da porta.
- Apenas cumpro o meu dever, Alain! Na impossibilidade de tomares o pequeno almoço aqui, acho de toda a justiça que o tomes noutro lado. Assim, aqui o tens! Está incluído na diária.
- Diária? É verdade! Já nem me lembrava disso. Só paguei dois dias!
- Não faz mal, eu aguardo! Pagas quando receberes! Confio em ti!
- Obrigado! Então até logo, depois falamos!
Desta vez o saco parecia mais pesado. Verifiquei durante o trajecto que a dose fora aumentada. Mais um pão e algumas bolinhas de queijo!
Àquela hora da manhã o movimento na Central Station parecia o dum formigueiro.
Koog Zaandijk era a localidade onde se situava a “minha” nova fábrica. Estava ansioso para começar. Nunca o trabalho me causara temor.
Já sentado à janela, com a paisagem a fugir-me em sentido contrário, matraqueado pelo monocórdico som de rolamentos barulhentos, recuo à infância e volto a pensar num ror de coisas e no alerta constante do Padre Nobre – meu menino, lembra-te sempre que a preguiça é a mãe de todos os vícios!
O menino nascido em berço humilde mas a quem nada faltou, viajante errante habituado à leveza do acaso, estava agora a tornar-se um homem prestes a ser operário como tantos que conhecera.
Sendo assim, nada havia que temer. Adelante!Adivinhei os passos da gente jovem que caminhava à minha frente e segui-os. Não me enganei. Também eles se dirigiam para as enormes instalações que se estendiam à nossa frente.
Koog Zaandijk era uma certeza, despida e fria.

4 comentários:

Anónimo disse...

Às vezes o frio pode ser só aparente.

Isabel

O Bicho disse...

..como o tempo corre. Entretanto já passaram quase mais outros vinte anos sobre esses vinte.

cristina disse...

Bom fim de semana.Bisous.

Rui Salvador disse...

Se esse regresso aconteceu em Julho de 1988, eu andava perto, a passear em Roterdão.