10 de outubro de 2007

As aventuras de Kim Kim - Holanda


... Bom Dia Amesterdão!


À minha frente deparava-se a Praça do Dam.
O símbolo fálico, no centro desta, aliado a tudo aquilo que já conhecia da cidade, lembrou-me que poderia ter acabado de entrar em Gomorra.
À minha esquerda, o Hotel Krasnapolsky, convidava-me a nele repousar, se para tanto o meu dinheiro chegasse. Curiosamente, alguns anos mais tarde, viria a nele me hospedar, com a carteira recheada e gravata bem apertada, em camisa de seda.
Era meu costume trazer uma lista de nomes e moradas de refugiados políticos que eram assinantes da Revista O Tempo e o Modo, qual pedrada no charco do regímen vigente, onde colaborei a convite da falecida Drª Helena Vaz da Silva, mais tarde minha comadre (madrinha do Bruno).
Sentei-me no redondel do Dam e puxei do papel mal dobrado onde constavam os nomes e moradas, dos meus eventuais protectores.
Ora deixa cá ver. Holanda … Amesterdão … cá está, Prof. Dr. José Rentes de Carvalho.
Indago onde fica a residência deste ilustre português e uns pequenos trocos são suficientes para apanhar um autocarro para a morada que aparece à frente do seu nome.
Entretanto, um crepe chinês, mitigou a fome que já se instalara no meu estômago.
Era preciso manter os sessenta e seis quilos que os meus cento e oitenta e quatro centímetros pediam.
O Prof Rentes de Carvalho, morava num bloco de apartamentos, tipo aparthotel com longos corredores. Toquei à sua campainha. Voltei a tocar. Nem vivalma!
Resignado a uma longa espera sentei-me no tapete da porta, encostei a cabeça à madeira fria e voltei a sonhar.
Era já velha a noite, quando senti a presença de alguém.
Um homem de baixa estatura, talvez quarentão, um pouco gordinho, estático, olha-me sem nada dizer.
Levanto-me e pergunto-lhe se é o Prof Rentes de Carvalho. Surpreendido por saber o seu nome, de sobrolho franzido, respondeu-me que sim, Explico-lhe então como obtive o seu endereço e qual a ajuda que preciso dele.
Apenas precisava que me desse umas “dicas” sobre a melhor maneira de sobreviver na Holanda. Onde dormir barato. Onde comer barato. Onde trabalhar a ganhar bem. Enfim, aquelas loucuras de quem não percebe nada da vida.
Ouvidas as minhas explicações e perguntas, coçou a careca e desabafou:
- Você é louco!!! Bem … venha daí!

6 comentários:

Anónimo disse...

Quando estamos longe e muito longe. Um conhecido é quase sempre um irmão...

É tão bom quando estes irmãos se estendem num abraço.

I.R.

sendyourlove disse...

Louco?????? nãaaaaa....
o mais sabio!
bjs cherry

carla mar disse...

É esta loucura, sã, que nos dá asas para voar.
Parabéns, por seres louco.
beijoka :)

cristina disse...

"Dans le port d'Amsterdam..."
Et tu connais la suite, n'est-ce-pas?!!
Bisous.

jromano disse...

Nas minhas histórias de banda desenhada, na minhha infância, os meus herois,eram os grandes batedores do oeste Americano, Bufalo Bill e o Kit Carson.Se eu nesse tempo estivesse com atenção, ali mesmo ao meu lado,na mesma rua, existia o maior batedor da Europa
"Kim Carson Rib"

Anónimo disse...

JRomano dixit.

E esta heimm........


Seve