11 de novembro de 2009

Cristovam Buarque - discurso censurado

Dum amigo franciscano recebi esta sábia resposta, a qual aprovo na integra

Discurso do Ministro Brasileiro da Educação nos EUA...

Este discurso merece ser lido, afinal não é todos os dias que umbrasileiro dá um 'baile' educadíssimo aos Americanos... Durante um debate numa universidade dos Estados Unidos o actual Ministro da Educação CRISTOVAM BUARQUE foi questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazónia (ideia que surge com alguma insistência nalguns sectores da sociedade americana e que muito incomoda os brasileiros).

Um jovem americano fez a pergunta dizendo que esperava a resposta de um Humanista e não de um Brasileiro. Esta foi a resposta de Cristovam Buarque :

De facto, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazónia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse património, ele é nosso. Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazónia, posso imaginar a sua internacionalização, como também a de tudo o mais que tem importância para a humanidade. Se a Amazónia, sob uma ética humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro... O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazónia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extracção de petróleo e subir ou não seu preço. Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado. Se a Amazónia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono ou de um país. Queimar a Amazónia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.
Antes mesmo da Amazónia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo génio humano. Não se pode deixar esse património cultural, como o património natural Amazónico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país.
Não faz muito tempo, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele, um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado. Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milénio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA. Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhattan deveria pertencer a toda a humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua história do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro. Se os EUA querem internacionalizar a Amazónia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos também todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil.
Nos seus debates, os actuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido a ideia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida. Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do Mundo tenha possibilidade de COMER e de ir à escola. Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como património que merece cuidados do mundo inteiro. Ainda mais do que merece a Amazónia. Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um património da Humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar, que morram quando deveriam viver. Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazónia seja nossa. Só nossa!

ESTE DISCURSO NÃO FOI PUBLICADO. AJUDE-NOS A DIVULGÁ-LO porque é muito importante... e porque foi CENSURADO!

13 comentários:

Teté disse...

Este discurso já deve ter uns aninhos, uma vez que o recebi por mail já há bastante tempo. De qualquer forma, concordo plenamente com o seu conteúdo, que suponho seja sempre útil divulgar.

"Todos os animais são iguais, mas uns são mais iguais que os outros", como dizia Orwell? Tenham dó!

Beijocas, Kim!

Zé do Cão disse...

O homem, o brasileiro, disse tudo.
Pena é que para alguns incomode tanto, a ponto de fingirem que não lhes ligam importância.

Abraço

Anónimo disse...

KIM, como diz a Teté, esta não é uma materia nova, mas muito boa e sempre deverá ser publicada.

Eu como brasileira, me sinto ofendida com a arrogância e prepotência dos americanos, que quer internacionalizar a Amazonia assim como o Pantanal brasileiro.

Já recebi e-mail. onde conta que em escolas dos Estados Unidos, estão ensinado que tanto o Pantanal quanto a Amazonia, não são territórios brasileiros, chegando ate a fazem o mapa do brasil com a exclusão do Pantanal e a Amazonia.

Só a titulo de esclarecimento, Cristovam Buarque foi Ministro da Educação,no primeiro governo Lula de 1º de janeiro de 2003 a inicio de 2004.

PS.
kakakaa, KIM, aproveitem e venham conhecer a Amazonia e o Pantanal, enquanto eles são nossos. kakakakak

SPUK

Osvaldo disse...

Kim;

Quem teve a coragem de censurar tão bela declaração da defesa dos Direitos da Humanidade.

Confesso, que nunca dei muita importância a discursos de políticos, mas este, só honra a classe dos Grandes Pensadores.

Só tenho vontade de dizer a este Grande Senhor que eu não conhecia, Sr. Cristovam Buarque;
"Que grande banho de saber, de humanismo e de solidariedade, o senhor deu, não só à arrogância americana, mas a todos os que se acham donos do Mundo. Parabéns e a minha admiração pelo senhor Ministro."

Parabéns, Kim, por a oublicares e sem dúvida que merece ser divulgada.

Um abraço.
Osvaldo

Laura disse...

Cada Homem é um homem e este homem e o que há de maior num ser humano!Amei ler as suas palavras, em defesa das crianças, da fome que deve ser evitada, o Pantanal a Amazónia são do Brasil, qualquer louco sabe isso,e a América tem a mania de que é a maior, não tarda por se meter demais nos Países vizinhos, fica toda dividida... O seu a seu dono, Brasil é dos Brasileiros e nem mais...E muito precisam eles de alimentos para todas as suas crianças, o seu Povo de amanhã!...
Fizeste bem em divulgar, se der, manda-me por email, e divulgo no meu, mais tarde. UM abraço como sempre, apertadinho meu querido Kim!... mesmo quando nem chego a ti...altooooo como é o meu Nuno...laura

Laura disse...

Gostei de ler o nosso Osvaldo, um rapaz que já vivieu no Brasil, e, sabe como funcionam as coisas por lá...Beijinhos.

Je Vois la Vie en Vert disse...

Olá Kim,

Também já tinha recebido este discurso num email e na altura transferi-no a muitas pessoas.
Claro que concordo com o que está escrito !
Que tristeza esta decisão do milionário japonês ! Se tivesse deixado a obra para leiloar e o produto da receita para necessitados que não faltam no mundo, tinha sido uma atitude bonita na altura do seu falecimento mas em vez disso, quis ser ligado aos bens materiais até a morte ! E se calhar, outros iguais a ele já profanaram o seu túmulo...

Beijinhos

Verdinha

Parisiense disse...

Também já tinha lido este discurso e concordo perfeitamente.
Porque razão a amazónia e não tanto património que eles proprios destroem?

Acho que todos deveriamos olhar pelo nosso proprio património, seja ele qual for.
Infelizmente com o progresso como desculpa tem-se destruido muito desse património da humanidade.

Bisous mon ange.

Anónimo disse...

Seve disse....

Há Buarques que cantam bem mas não m'alegram....

Maria disse...

Kim:
Cristovam Buarque, um nome que não esquecerei nunca.
Se o mundo fosse feito de Homens assim, a Humanidade seria um Paraíso.
Obrigada por teres postado este discurso. Vou copiá-lo e enviar a alguns amigos que não usam computador.
Mais uma vez, nos deste uma grande lição.
Beijinho

Laura disse...

Exacto, o outro Chico Buarque só canta que anda á toa na vida...este dá lições de patriotismo...e de homem..beijinhos.

mariana disse...

A palavra serve para nos despertar.
Este discurso é bom que seja divulgado.Vamos acreditar que o senhor Cristovam Buarque,tenha tambem "Boas Obras"...Porque de "converça" está, o mundo cheio.
Tudo bom, para vós!

Dad disse...

Já conhecia mas continuo a aplaudi-lo!

Palmas!!! e era bom que todos seguissem este exemplo!