10 de maio de 2009

Joaquim Agostinho - Um fenómeno


Desapareceu há um quarto de século o maior ciclista português de todos os tempos.
Atleta duma pujança invulgar, começou a correr já tarde, aos vinte e cinco anos e fê-lo até aos quarenta e um, data da sua morte, quando um cão se meteu à frente da sua bicicleta provocando-lhe a queda que o viria a fazer sucumbir.
Ao homem e ao sportinguista, meu homónimo Joaquim, a homenagem dum admirador convicto, que sempre ignorou as rivalidades clubistas em prol de tão grande atleta.
Grande Joaquim! Grande campeão! Do mundo!

10 comentários:

*Lisa_B* disse...

Lamento esta perda que Portugal sofreu e sobretudo a familia claro.
Recordo de ver a queda noticiada e nunca pensi que ele "partisse" por causa disso...e nâo deixa de ser questão para se pensar que o cão é o melhor amigo do homem mas neste caso...
Acredito na predestinação e ra a hora dele...
Paz onde esteja a sua alma!

Osvaldo disse...

Olá Kim;

Primeiro as desculpas por esta pequena ausência mas a duas deslocações profissionais deixaram-me menos tempo livre.

Obrigado por aqui citares este grande campeão PORTUGUÊS... e digo assim porque os grandes com o Agostinho não são de um clube mas sim de um povo e de toda a Nação.

Vi algumas vezes Joaquim Agostinho, como provávelmente também tu o viste, por estas estradas e montanhas da França e Suíça. Lembro o respeito que os autres ciclistas tinham por ele e nos finais das etapas quando ele se dirigia para o local da distribuição da água (Perrier 0,25 e ele bebia umas dez) os outros ciclistas diziam... deixem passar o Tinô. Era muito admirado por todos do pelotão... Era um Homem, Grande Homem e grande português que não merecia ter desaparecido daquela maneira.

Tenho algumas histórias do Tinô que conto normalmente em conversas de amigos. Talvêz um dia, aqui as conte.

Um abraço, amigo Kim,
Osvaldo

Maria disse...

Kim:
Foi um fim estúpido para um homem bom e bom atleta.
Que o céu o guarde.
Beijinho

Zé do Cão disse...

Kim. Pela parte que me toca, o meu obrigado pela lembrança.
Que grande campeão foi um facto.
E que maldades lhe fizeram ao tirarem-lhe voltas a Portugal. Recordo aquele contra relógio, Sintra Lisboa, em que sabiam que tinha perdido a volta e sem dizerem-lhe nada, deixaram-no correr, somente para conseguirem o êxito de bilheteira.
Que "sacanagem", que traição...

Obrigado, um abraço

BLOGADOR disse...

Uma figura de referência mundial que partiu cedo de mais.

Parisiense disse...

Dejá??????
Como o tempo passa.....eu nessa altura ainda não era nascida, por isso não o conheci....hahaahhahaah

Mas ouvi falar muito dele.

Bonita homenagem.

Bisous mon ange.

Laura disse...

Lembro-me de ler no jornal, não sei se já estava na África do Sul, se em Luanda ainda, e lembro de ver o pai a falar sobre ele, adimravamo-lo, todos lá em casa, ficamos chocados com a sua morte, mas, é a tal coisa, cada um na sua hora e da forma que for...O nosso camisola amarela!..

Obrigada pelo mimo no osvaldo, mas que nina linda eu estou na forma que ele me escolheu... Um beijinho da laura..

Governador disse...

Grande atleta.
Um homem que dava tudo o que tinha pelo desporto e para representar Portugal.

Bonita homenagem.
Abraço

Anónimo disse...

Seve disse....

Bela e justa homenagem, Kim.

As crónicas do jornal "A BOLA" sobre as suas participações na Volta à França são das maiores pérolas do jornalismo português, escritas pelo também já falecido jornalista Carlos Miranda.

Joaquim Agostinho era um atleta que estava, está e estará no coração de todos os portugueses.

Paula Raposo disse...

É verdade. Tens razão. Beijos.