22 de abril de 2009

O homem mais rico da Babilónia

Quem quer ser bilionário?

Não era minha intenção intitular esta crónica com semelhante néon cinematográfico, mas quase sem querer a minha pena deslizou para tal título.
Passamos uma vida a ignorar as coisas simples e preocupamo-nos com coisas de somenos importância. Depois constatamos, já tarde, que o enriquecimento material podia ter-se projectado num reflexo espelhado daquilo que cada um tem no seu interior.
O Homem mais rico da Babilónia é um livro bem actual que toca o sentido despesista daqueles que julgam não haver amanhã.
Vale a pena lê-lo.
Lê-se numa tarde! É barato e dá milhões!

Às vezes - sinto-me o homem mais rico da Babilónia!

24 comentários:

Zé do Cão disse...

Está à venda?
interesso-me. sou um gastador inveterado.

Um abraço

Laura disse...

Ora, bota pra cá então como s eganha muito sem esforço, sem lorpice, sem nada de nada, só ganhar, pra haver muito pra s egastar até mais não dar... Beijinhos.

ó zezito vais ao encontro das ninas no Parque Eduardo Vll? ahhh, já vo que não. É dia de estar com a dona...Beijinhos.

Kim disse...

Zé do Cão - Claro que o livro está à venda. Custa 12 €.
Cada vez que vou ao Colombo costumo ir até à Fnac onde vou dando uma vista de olhos na livraria de modo a não comprar livros que depois não leio.
Este livro alerta-nos essencialmente para o pequeno/grande prblema da poupança. Sei bem que está dificil poupar mas também sei que quando queremos há sempre uma forma de poupar uns tostões.
Por exemplo, quando deixei de fumar não passei a pôr de lado a quantia que gastava em tabaco. Ora o conteúdo do livro gira à volta disto, contado numa versão tipo Mil e uma noites.
Abraço Zé.
Laura - Nem precisas de comprar o livro. Vais duas ou três tardes à Fnac e está lido o livro.
Já estás a poupar.
Já te estou a imaginar à descoberta de Lisboa!
Beijinho

jrom disse...

Kim eu não quero os milhões , neste momento estou a necessitar do calendário arrumado e não te esqueças do que falámos ontem sobre disponibilidade.
Claro que vou ler o livro talvez encontre algumas das minhas teorias económicas,mas quero aprender mais. Um abraço my Friend

governador disse...

Pois eu sou um desses homens.....com o harém que tenho sou um homem rico de felicidade e amor.

Abraço amigo.

Laura disse...

Boa ideia ó rapaz Kim...irei à Fnac no feira Nova, Braga parque, e leio a voar...Mas só se pode poupar quando se tem, quando nem chega poupa-se como? ah, isso sim, deviam ensinar...Já lá vai o tempo em que tinha, sobrava e....

Jrom; os dois falaram sobre disponibilidade? posso meter a minha colherzinha? seria de nos encontrarmos em Lisboa...? que o Kim não pode, já sei, e tu calhar sem o Kim tens medo das mulheraças todas juntas, ehhhhhhh, a Maria dos Alcatruzes diz que vai...já não t eperdes, claro que adoraria abraçar-te, mas...cada um é que sabe se pode se não pode...Beijinhos aos dois. laura.

Laura disse...

Governador; e tu a dar-lhe, achas que um harém te deixava poupar? cada uma queria traje mais rico que a outra, os sais de banho, o gel para amaciar a pele, o cabeleireiro, ou elas não se penteiam como a madame Pompadour?, ou és mesmo um nobre Governador com saco cheio, ou então!...harém nos dias de hoje?ui!...Abraço, estou sempre na brincadeira, por isso, o que vem da laura, é pura ficção...

Maria disse...

Kim:
Vou ver se leio o livro. Talvez me ensine a não comprar todos os livros que gosto.
A ideia de o ler na Fnac é boa. O pior é se eu gosto tanto dele, que tenho de o trazer para casa, acompanhado de mais alguns.
Perco-me nas livrarias. São mesmo o local, onde mais dinheiro gasto comigo.
Beijo

Osvaldo disse...

Caro amigo Kim;

Não vou comprar o livro por dois motivos...

Primeiro; Faltam-me 12 Euros pra completar alguns bons milhões...

Segunda; Para quê eu quero mais milhões se já não sei que fazer com os milhões que me estorvam por todos os lados...

Terceiro; Prefiro ser eu mesmo, ser como sou e viver com o que vem.

Áh,... Parabéns por teres reparado o elevador, porque para entrar aqui tinha que subir as escadas... rsrsrs.

Um abraço, amigo Kim.
Osvaldo

Laura disse...

Eu continuo a vir pelo elevador, na maior, antes é que demorava mais, mas, haja paciência... agora os outros é que se queixam, a avaria deve ser na casa das máquinas, faça marcha à ré capitão, e todos a bombordo, levante a escotilha, desfralde a bandeira Lusa...Beijinhos.

Anónimo disse...

Vou poupar nos Pasteis de Nata.
jc/.

carla mar disse...

um livro inspirador :D
... bom, para eu aprender... a cuidar do dinheiro. a gastá-lo... disciplinadamente!
não vou ler isso.

BEIJO GRANDENORME :)

... até já! (vou ás compras!)... :)

jrom disse...

O Kim sempre foi um bom guarda costas , mas desta vez vou dispensá-lo.
Desta vez já contratei, um friso das melhores manequins da nossa praça e praticam a toda a hora,essas modernices; Aikido pra qi aikido pra li, não sei se isto é curriculum , mas também não me importo,pode ser que dê luta.

Je Vois la Vie en Vert disse...

Quando encontrar um pouco de tempo para ir à FNAC, vou ver se encontro este famoso livro para aprender a poupar - mais ainda do que poupo ? - para aprender a poupar dinheiro e tempo...também !

Oh, Kim , a FNAC ainda te vai por um processo em cima para ensinares às pessoas como não comprar livros ! Agora que há processos para tudo e para nada e pastas que vão acumulando nos tribunais.... Se eu fosse juiz, quando vejo a altura das pastas dos processos desistia...e se calhar é o que acontece visto a justiça ser taaaaaaõ leeeeeeeenta !

Querido Osvaldo, então não sabes o que hás de fazer com os milhões que te estorvam para todo o lado ?
Ofereça a esta malta uns dias de férias lá para estas terras frias e ofereces-nos mais uma visita guiada nestes teus belos museus mas desta vez de viva voz ! Sei que és perfeitamente capaz disto ! :-) só faltam os milhões que por enquanto são são virtuais....
Aposto que a "nossa" Laurinha dizia logo que SIM !
E também podes oferecer uma tonelada de pasteis de nata ao JC...

Beijinhos da

Verdinha

Je Vois la Vie en Vert disse...

Caro Kim,


O teu comentário sobre o meu último post foi giro porque parece que o Poseídon ouviu o chamamento da sua "esposa" Terra ou Gé ou Geia !
Existem tantos cruzamentos na vida, o mundo é mesmo pequeno !

Bjs

Verdinha

Parisiense disse...

Babilónia e Bagdad são segundo o meu marido as duas mais lindas cidades que ele conheceu no medio oriente...

E olha que ganhou lá umas coroas.....não foi o euromilhões.....mas ganhou lá bons francos .....

Beijokitas

Anónimo disse...

Ora aqui está uma boa receita para os 2 milhões de pobres mais não sei quantos milhares de desempregados portugueses mais os não sei quantos milhões de miseráveis espalhados por todo o mundo.
Basta seguir as indicações do senhor que escreve o livro e ficamos todos ricos.
Uma perfeita maravilha para os tempos que correm. Vai ser facturar até fartar.
Estas produções literárias são lixo que apenas servem para entravar o caminho da libertação de milhões de seres humanos por uma vida livre e digna.

xl

Zabour disse...

Hum...andas a cultivar-te, muito bem...

Beijokas

Maria disse...

Kim:
O XL tem razão em quase tudo.
No entanto, há alguns que ganham umas coroas, (não de louros) com a venda dos tais livros: os autores, os editores e os livreiros.
Quando ele diz que são lixo, volto a concordar. São lixo e isco, para os pobres desgraçados, que o compram esperançados em aprender o segredo das grandes fortunas. Esses euros, talvez lhes façam falta para bens de primeira necessidade, mas que importa passar fome, se um livro nos vai ensinar como ser rico?
Oportunistas da nossa praça, alguns que até são comentadores da TV e Rádio, já lançaram livros desses. Depois, com o maior despudor, falam deles próprios, apresentando-se como exemplos.
Há um, bem conhecido, que lançou um livro há dias e, que eu sei que deve dinheiro à ex-empregada doméstica, que por acaso, é a mesma que tenho. Quem fica a dever 25 Euros, a uma pobre mulher, que trabalha um dia inteiro, para comer e dar de comer, ao marido inválido, devia ter o decoro, de pelo menos, não armar em mestre de economia e finanças.`
É assim que se enriquece, burlando, enganando, mentindo, ficando a dever a toda a gente? Eu passo. Prefiro a minha mediania honesta, que me permite deitar a cabeça na almofada, fazer exame de consciência e pensar, que não prejudiquei ninguém, nem abusei da boa fé de uma pobre mulher, que não tem onde cair morta.
Desculpa o desabafo. Todo o género de oportunismo me repugna e revolta. Por isso, graças a Deus, nunca serei rica.
Beijinho

jrom disse...

Pois eu não me envergonho de ter henriquecido,primeiro no limiar da pobreza,onde me deram valores que não ponho à venda.mais tarde a fortuna aumentou quando tomei contacto com a imprensa escrita.Vendia jornais para comprar os livros da 4º classe e aproveitava as férias grandes da escola para ajudar a família trabalhando e tem sido só capitalizar.Como à 50 anos que trabalho,não me queixo,mas tive pouco tempo para ganhar dinheiro para aliciar a Bolsa, para o desenvolvimento do país,faço parte das mesmas dívidas que este tem , mas considero-me rico.

jrom disse...

Jà não vou falar muito dos "grandes serviços prestados à nação" dando o corpo ao manifesto e que de certa maneira me henriqueceu .Tive de aprender a gerir o meu dinheiro para os cuidados de saúde devido a trazer mazelas e também ganhei muito conhecimento sobre o que se lá passava e nem vou falar das remunerações obtidas,porque ainda hoje posso ser penalizado.
Meu Deus como a fortuna nos bate à porta!Mas acho que só vou saber se esse livro é lixo se o ler.

jrom disse...

O que me entristece é que os portugueses em questão de progredir com o seu trabaho,no estrangeiro, são do melhor que há , aqui no seu país são um autentico cataclismo em dividas
Não percebo!....,mas acredito que há quem entenda.

Maria disse...

Jrom:
Por acaso ainda ontem, falei nisso.
Qual será a razão?
Lá fora somos trabalhadores esforçados, perfeitos, respeitadores, embora às vezes, comamos o pão que o diabo amassou.
Aqui, é o que se vê. Há falta de trabalho sim, mas também há alguma falta de vontade de trabalhar.

jrom disse...

Maria fico feliz por finalmente nos cruzarmos no blog.
Na minha insignificante opinião,acho que por defeito nós gostamos de nos esfregar na desgraça,e por poucochinho que se consiga, temos o prazer de criarmos estatutos maiores ou menores na sociedade. "Vaidades"
Por outro lado, noutros países "não se tem brincado em serviço" e também acho que o português por vaidade, tem muito medo da derrota então noutros lados sujeita-se um pouco mais.
Também não nos podemos esquecer que descendemos de gente muito esperta , mas nem por isso muito inteligente.Como gostamos de ser dirigidos, temos este brilhante resultado. beijinho Maria e desculpa a confusão das Marias