21 de fevereiro de 2008

Amsterdam - Estórias mil (b)


Aquela visão, logo me fizera não mais pensar, quem seria Lyn e como obtivera a chave do quarto.
- Sou uma amiga de Jasmyn – respondeu, como que adivinhando a minha dúvida.
O seu sorriso, dissipara-me receios infundados.
Apesar de Jasmyn nunca me ter falado de Lyn, já que esta tinha a chave, julguei serem companheiras de quarto.
Lyn, tinha tanto de morena como de linda. Olhos já vividos e corpo desbravado
O “meu” inglês não bastava para uma conversa formal.
Olhava-a, desejando tudo e esperando nada.
A exiguidade do espaço, foi pretexto para sentar-se na beira da cama. Trocaram-se confidências e descobertas, em olhares matreiros.
Aos poucos me enfeitiça e desliza no meu leito. Vai tomando conta de mim. Sinto-lhe as hormonas em ebulição.
Quase me limito a olhar, lutando contra mim.
A linha que separava a provocação, do desejo, era ténue demais para não ser entendida.
A sua linguagem corporal, agressiva e sedenta, continuava a povoar-me os sentidos.
Por instantes pensei em Jasmyn, com quem não tinha qualquer espécie de compromisso, nem na vida, nem no leito. Aliás, tive sempre a impressão que lhe amenizava a entrada na meia idade, fazendo-a recordar o muito que tinha ainda para dar.
Apenas por instantes, pois logo, num recíproco impulso felino, se devoraram as bocas e esmagaram os corpos. O meu, extremamente maleável, sucumbia àquele apetite insaciável, saído dum conto de odaliscas.
Depois, passaram as horas e esquecemos que o tempo tem tempo.
Era já tarde, quando adormecidos num abraço, despertámos com o abrir da porta.
Era Jasmyn. Chegara, menos cansada que nós. Olhou-nos com um sorriso de ódio. Alguns longos emudecidos segundos, separaram os olhares, entre a porta e a cama.
Jasmyn, conformada, deixou escapar:
- Olá Lyn!
- Olá mãe!
O que mais se disse é passado. O que ficou por dizer não importa.

5 comentários:

carla mar disse...

A vida... ás vezes,é assim.
;)

Anónimo disse...

A vida prega partidas. E......
BJ
bela

Anónimo disse...

As tuas memórias...

O teu presente diário decorado com laços elegantes.
O teu tempo com tempo para nós
Que bonito..

Isabel

Anónimo disse...

Mas que malandro,mãe e filha,normalmente nessas idades existe uma história igual, é a força da idade,as hormonas como dizes a adrenalina.Mais,quero mais.Beijinhos da Maria Zé

Anónimo disse...

Bom fim de semana.
Charles Aznavour est en concert ce soir à Lisbonne!
Bisous.
Cristina