5 de setembro de 2009

Virgem Maria - morou aqui

muro onde se deixam pedidos quase sempre impossiveis

entrada da casa



Viajar é de facto viver. E quando isso acontece vamos descobrindo coisas que nem sequer sabíamos da sua existência.
Localizada no Monte Coressus, algures na Anatólia, fica a casa onde a Virgem Maria viveu alguns anos, pouco antes da sua morte.
Não está em causa a conotação religiosa que tal edifício possa ter com as mentes menos crédulas, mas apenas o conhecimento de algo que nunca me tinha passado pela cabeça vir um dia a descobrir.
Contou-me o guia que:
No século XVIII uma mulher alemã, cega de nascença, chamada Katherina Emmerich, que nunca saiu da sua terra durante toda a sua vida, descreveu a localização exacta desta casa, até então desconhecida, através das suas revelações num livro que publicou - A Vida de Maria, o qual foi lido por uns padres, cem anos mais tarde.
Após algumas averiguações foi reunida uma equipa de forma a revelar a extensão da verdade. A equipa procurou a casa na montanha durante um ano e finalmente quando já cansados bebiam água duma nascente viram a casa, o mar e as ilhas, tal como tinha sido descrito por Katherina.
Na primitiva, a casa era composta de duas pequenas divisões e uma cozinha. Actualmente é uma pequena capela. O mármore preto visível no chão mostra a localização do forno. O carvão encontrado nas escavações datava do século I.
Tudo era demais evidente. O resto … A visão …
Perante tal evidência apenas me limito a dá-la a conhecer!

15 comentários:

Maria disse...

Kim:
Já tinha ouvido e lido dessa casa.
Como gostava de a ver! Não tem a ver com religião, mas com crença.
Ela existiu e foi mãe de um Homem bom que passou na terra e se deixou matar por todos os homens.
Não sei se foi Deus, mas creio nele.
E no momento de angústia que estou a passar, é a Ele, o meu Jesus de menina, que imploro a saúde do meu irmão, que é crente profundo.
Estas imagens deram-me esperança.
Beijinhos e obrigada.

Teté disse...

Oh, Kim, sem sequer querer mencionar a religião católica e respectivas crenças, não achas estranho que uma casa dure vinte séculos?! Casa do povo, não os castelos que se ergueram para resistir a todas as batalhas ferozes travadas contra os inimigos? E alguns destes, em ruínas pela deterioração causada pelo tempo, mesmo que bastante mais recentes?

Visões à parte, deu "jeito" encontrar esse local, mais um roteiro para peregrinos e crentes. Escavações que descobrem vestígios de carvão do século I no local, dificilmente provam que a mãe de Jesus tivesse vivido ali. Provam simplesmente que alguém lá viveu!

Não te zangues por ser tão céptica! Garanto que há muitas coisas que não sei explicar racionalmente... ;)

Beijinhos!

Maria Lúcia disse...

Ínteressante. Não conhecia esses fatos.
PAZ!

Laura disse...

Desconhecia de todo o que descreves, mas, gostei de ler e de saber, pois, acredito em visões e se foi encontrada dessa maneira...se é evrdade ou não! Nem interessa, interessa a descoberta dessa forma...Nada fica ao acaso.
Beijinhos e uma boa oportunidade de aprender..laura.

carla mar disse...

e TU, Mãe da Igreja, acompanha o nosso caminho! Santa Maria Mãe de Deus reza por nós!




Éfeso já era, antes do cristianismo, um local de peregrinação, por causa de uma outra figura feminina: Artemis, a deusa grega da fertilidade, a quem está dedicado o principal templo da cidade.

Beijo meu :)

c

Parisiense disse...

São estas pequenas descobertas que fazem de nós seres mais conhecedores e melhores entendedores de muita coisa, pouco importa se as descobertas tem ou não conotação religiosa.

Obrigada por tudo o que nos tens mostrado e dito.

Bisous, mon ange.

Paula Raposo disse...

E eu, agradeço a partilha. Obrigada. Beijos.

Kim disse...

MARIA - A fé é uma força inabalável. E quando a gente a tem, os desejos acontecem. Força!
TÉTÉ - Claro que a casa quando foi descoberta não tinha o aspecto que tem hoje. É bem provável que nada disto seja verdade mas eu também sou uma homem de muita fé. Apesar de ter muitas críticas a tecer à Igreja, acredito que a maioria dos monumentos que hoje estão conotados com personagens bíblicas são efectivamente verdadeiros.
Quanto à visão já sou mais céptico.
LÚCIA - Também eu não sabia da existência da casa. Estamos sempre em descoberta constante.
LAURA - Quando vi esta casa lembrei-me de ti, da Maria e da Verdinha, talvez por serem as que mais próximas estão destas crenças.
CARLA - É verdade que não muito loge dali fica o Templo de Artémis, como já aqui publiquei. Infelizmente já só resta uma coluna e nem imaginas a tristeza que senti quando vi ali diante dos meus olhos o que restava duma das sete maravilhas do mundo antigo.
PARISIENSE - Claro que o que interessa são as descobertas, independentemente da conotação que se lhe queira dar. Para mim o que interessa é a história que está por detrás de todas elas.

Osvaldo disse...

Kim;

Impressionante. Desconhecia essa história, fiquei com vontade de conhecer. Anteontem diria-te que seria apenas por razões históricas e culturais... Hoje já não sei, talvez seja por muito mais que isso, por algo que me arredou à muito e que aos poucos vai ganhando de novo seu espaço...
Não tenho vergonha de dizer que já fui católico e que por motivos vários me arredei da religião. Não para mudar para uma outra, apenas porque quiz experimentar não ser nada, ser libre, mas foi precisamente nessa liberdade que eu mais precisei de Deus. Não foi por interesse material, porque a vida à custa do meu trabalho, honestidade e respeito pelos outros, sempre me sorriu. Não foi por problemas de saúde, porque sempre fomos eu e minha familia saudáveis... Não foi por falta de amigos, porque sempre tive uma legião... Não foi por falta de educação e cultura, porque se a primeira a recebi com muito carinho dos meus pais, a segunda fui a conquistando com o meu empenho... Não foi por falta de amor, porque isso sempre recebi, possivelmente mais do que me foi possivel dar...
Ora, se consegui tudo isso, com muito trabalho, com muito carinho e muito respeito, provávelmente não foi apenas pelos meus bonitos olhos!...
É por isso que eu trago sempre comigo, em todos os momentos uma oração que eu li e descobri pela primeira vez, num momento de felicidade. Poderia ser num momento de desespero ou de angústia ou algo desse género e então faria sentido, mas não, foi num momento de felicidade...
Essa oração chama-se "Pegadas na areia"... e desde o dia que a descobri, passou a ser a minha oração.

Um abraço, amigo Kim e até breve.
da Ana e Osvaldo

Conversa Inútil de Roderick disse...

Há coisaS em que é impossivel dar uma explicação plausivel!

Zé do Cão disse...

Kim

Não sei sinceramente se sou crente ou descrente. Conheço padres e mantenho a mesma opinião. Todavia,, quando em aperto, lá vai o... "Valha-me Deus". Em presença de por exemplo uma procissão, posso fazer humor ao mirar quem leva os andores etc, mas quando passa o venerado principal, sinto-me pequeno.
abraço e penso como teté...mas adorava conhecer o local

Anónimo disse...

"Beatificação de Anne Katherine Emmerich

O primeiro processo de beatificação de Anna Katharina Emmerick foi aberto em 1892 e foi extremamene mal feito -- "un vero guazzabuglio" (uma verdadeira confusão), no dizer jocoso de um perito do Vaticano.

Em 1917, três censores teológicos incumbidos de examinar o processo "super scriptis" -- porque naqueles bons tempos examinavam-se os escritos dos Servos de Deus candidatos à beatificação -- concluiram que Anna Katharina não fora a principal responsável pelo texto de suas visões, publicados após a sua morte.

Os Cardeais que participavam do julgamento incumbiram o Padre Winfried Hümpfner de estudar o problema da autenticidade da autoria das Visões publicadas como sendo de Anna Katharina Emmerick.

Padre Hümpfner escreveu um livro -- La Fede Storica di Clemens Brentano nelle note della Serva di Dio Anna Katharina Emmerick -- mostrando o papel e a responsabiliadade pessoal de Clemens Brentano, o escandaloso secretário da pseudo vidente de Dülmen, na redação das supostas visões dessa freira. O padre pretendia, desse modo, isentar a vidente de toda responsabilidade pelas heresias e erros doutrinários bem graves existentes nas famosas "Visões" dessa freira.

Conseguiu o seu intento:em 1927, a tese do Padre Hümpfner foi acolhida pela Congreação dos Cardeais, e o processo foi reaberto, mas por pouco tempo.

Entretanto, o Santo Ofício, no dia 30 de Novembro de 1928, vetou o processo de beatificação dessa freira, porque uma possível beatificação dela causaria uma difusão e um crédito nos livros de suas supostas visões, cheias de erros contra a Fé.

Após o Concílio Vaticano II, Paulo VI, em 1973, atendendo a pedido da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho e do Episcopado alemão, reabriu o processo de beatificação dela.

Quando escrevi minha tese de Doutoramento na USP, em 1988, provei que as visões atribuídas à vidente de Dülmen tinham uma forte influência de doutrinas cabalistas e esotéricas. Provei ainda que, embora Brentano tivesse a maior responsabilidade na redação das visões e nas teses nelas contidas, a freira Anna Katharina Emmerick defendia, ou pelo menos tinha muita simpatia por muitas idéias heréticas e esotéricas, mesmo antes de conhecer Brentano.

Ainda que em minha tese eu não discutisse a santidade dessa freira, mostrei que Anna Katharina Emmerick tinha alguns comportamentos escandalosos, que impediam que ela fosse tida como santa. Minha tese, porém, não focalizou a questão da santidade ou não dessa vidente, pois me interessava provar apenas que suas visões eram esotéricas e cabalistas.

Mandei cópia de minha tese ao Vaticano, à Congregação para a Causa dos Santos, tendo recebido uma carta afirmando que se levaria em conta minha tese no processo de beatificação dessa freira.

Realmente, o Vaticano continuou o processo, excluindo dele as "Visoes".

Admite-se assim de novo, pelo menos implicitamente, que, se fossem consideradas essas Visões, cheias de heresias, ela jamais poderia ser beatificada.

Minha tese fica implícita e indiretamente aprovada: as Visões dela não foram aprovadas pela Santa Sé, pois que tiveram que ser excluídas do processo, para ela poder ser beatificada.

Agora, o processo chega ao fim: Anna Katharina Emmerick será beatificada no próximo domingo.

O veto do Santo Ofício à sua beatificação foi vencido.

Mas o que o decreto previu já está acontecendo agora: a larga difusão e o crédito de suas pseudo visões, cabalistas e esotéricas, vai crescer enormemente.Os gravíssimos erros existentes nos livros de suas Visões serão ainda mais difundidos entre os fiéis, causando imenso mal às almas."

http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=polemicas&artigo=20040920210536&lang=bra



Para acreditar nisto é mesmo preciso ter fé
Eu não acredito

FR (ateu)

Anónimo disse...

Bem gira, a casa :)
Terrea, bem localizada, num pequeno local com arvoredo, sitio sossegado. Um amplo salão! Muito bom!
Naquele tempo já se morava muito bem.
Isto é que é qualidade de vida :)
O J.Pimenta devia ter posto os olhos nisto antes de construir a Reboleira - cidade jardim.
Temos de ir à casa da virgem comer pasteis de nata:)
Abraço. Vou aparecer brevemente.
FR. Estas convocado!
:)
jc/.

Laura disse...

Adorei ler o JC... o Pimenta devia ter ido ver como se construiam casas desse gabarito já naquela altura... e claro, quem me dera a mim, agora, uma casinha dessas, mais decoradinha á minha maneira e...
Kim, já nem sei o que sou de Religião...comecei católica, mas, a vida mostra-nos que não é bem assim, as dores levam-nos para outros lugares, mas, acredito em Nossa Senhora, acredito sim...Beijinhos meus, laura.

Je Vois la Vie en Vert disse...

Também não conhecia esta casa. Gosto sempre de aprender. Quanto a ser ou não ser a casa onde viveu Maria, a mãe de Jesus, para mim é um detalhe.

A Fé é precisamente isto : crer sem ver. Claro que há e haverá sempre muitos erros, lendas, mentiras mas é o próprio do homem.
Não me questiono para saber porquê a erva é verde e a papoila encarnada, creio profundamente em Deus, em Jesus e em Maria (acredito na Virgem Maria como acredito que crianças nascem com inseminação artificial) e sinto-me feliz assim, não carregando o meu - pobre - cerebro com perguntas dificeis de responder....

Beijinhos e obrigada pela partilha, amigo Kim

Verdinha