28 de julho de 2008

O (des)acordo ortográfico


Sei que tenho uma larga costela de conservador, mas sei também que não sou tão bota de elástico que não me sinta ferido pelas bicadas que se estão a preparar para dar na língua portuguesa.
É que acordar ortograficamente não é a mesma coisa que assassinar a vernaculidade dum povo. Não consigo entender e ninguém o explicou ainda, quais as vantagens deste acordo. Mas há mais. Sabendo que a língua portuguesa assenta essencialmente em Portugal, Brasil, Angola, Moçambique e Cabo Verde, porquê imiscuírem-se outros povos onde já ninguém fala a língua lusa?
Quanto a mim, seria bem mais lógico deixar cada povo criar os seus próprios neologismos com as naturais aberrações linguísticas que vão surgindo fruto dos estrangeirismos, do que obrigar todos os povos a reaprender um velho idioma. Quase preferia aprender esperanto, do que me sujeitar a essa nova lei que os iluminados sempre vão brotando.
Num espaço multicultural fragmentado por povos que nem sequer português falam, é de bradar aos céus.
Na recente cimeira de Lisboa, Angola não esteve presente – as eleições são mais importantes.
Moçambique, também não - comemora o aniversário da revolução.
Os altos dignitários da Guiné Equatorial nunca falaram em português e acompanharam a cimeira, munidos de tradutores electrónicos. Então?
Deixem os portugueses escrever português!
À excepção dos brasileiros que arredondaram e musicaram a nossa língua, o que até prazer me dá, vejo todos os outros a enveredarem por dialectos mais próprios do costume rácico de cada povo.
Que o Brasil fale brasileiro e Portugal português!
Não te voltes na tumba Luís de Camões, quando chegar o que está para vir.

19 comentários:

Anónimo disse...

KIM!

CONCORDO COM VOCÊ, ESSA IMPOSIÇÃO TAMBÉM NÃO ME AGRADA.

SPUK

Anónimo disse...

Esta coiza do dezacordo ou acordo ortográfico não me xateia nada desde que eu conçiga ler. Não será por iço que vou deichar de me delissiar com os belos textos - de Camões a Eça ou Saramago ou Ubaldo Ribeiro ou Jorze Amado ou Drummonde Andrade. A lingua é viva! Que mude tudo desde que "em portuguêz nos entendamos". Ah! e o Camões pode virar-se na tumba porque tambem era um xato do caraça e o português que escrevia tambem mudou com os "tempos". Afinal são as coisas das "vontades".
Conçeguiram ler? Então tudo bem,caras! :)
jc/.

Anónimo disse...

Lá conseguir ler, cosegui. Agora se concordo, já é outra história.Mas achei piada, isso sim. Estou mais de acordo com o Kim. A mim, não há acordo ortográfico que, me obrigue a escrever de forma diferente da que aprendi.
Disse.
Maria2

Anónimo disse...

O Acordo Ortográfico será a melhor coisa que pode acontecer à língua portuguesa!

Uma língua tem de se ir actualizando e se o Brasil é actualmente um dos maiores países do mundo, Angola 14 vezes maior que Portugal, Moçambique 8 vezes, etc.,, então parece-me melhor irmos actualizando a língua portuguesa e continuarmos todos, povos da língua portuguesa, a falar português do que passarmos a falar brasileiro, angolano, moçambicano, etc.., em vez de português.

Já Fernando Pessoa dizia: a minha pátria é a língua portuguesa!

100% de acordo ortográfico!

Seve

carla mar disse...

Querido Kim :)


Estou na linha da frente da barricada, contra este acordo.
Esta é a ditosa Pátria nossa Amada, esta é a língua que tão imperfeitamente falamos... mas, da qual queremos ser dignos.

Apetece-me citar aquela belíssima frase de Vergílio Ferreira:

“Uma língua é o lugar donde se vê o Mundo e em que se traçam os limites do nosso pensar e sentir.
Da minha língua vê-se o mar.”

Abraço armado (de lápis, canetas e teclados!) da Resistência Lusíada!

Anónimo disse...

Não me aquece mem me arrefece.
Não vai ter qualquer influência na vida dos portugueses.
È provável que no futuro se falem várias línguas com origem no galego-português. Português, brasileiro,galego angolano, etc.
Acho uma evolução prefeitamente natural.
"a minha pátria é a língua portuguesa" é a costela colonialista do Pessoa mas o império já acabou.

XL

Anónimo disse...

Dized'amigu', en que vos mereci
por non quererdes comigo viver?
e saberedes que non ei eu poder
de viver, pois vos part(r)des de mi;
e, pois sen vós viver non poderei,
vivede mig', amigu, e viverei.

in: Antologia da Poesia Portuguesa.
Poesia Trovadoresca.

... e a lingua segue, mutante e bela!
jc/.

Anónimo disse...

Tem o quer que seja de presago a vida e a obra de Camões. Em 1572, sahia á luz em Lisboa, pela primeira vez, um poema que não só seria a corôa de gloria de seu auctor, mas a joia mais pura do thesouro da literatura portugueza. N'aquelle livro immorredouro santificava-se o amor da patria e oito annos depois era a patria que exhalava o ultimo suspiro nas agonias da independencia. E com ella morria juntamente o poeta...

Introducção à edicção dos Luzíadas, de Luiz de Camões, em l900. Empreza da Historia de Portugal - Rua Augusta 95 - Lisboa.

... e a língua segue. Mutante e bela!

jc/.

Anónimo disse...

... e agora vou à PHARMÁCIA.
Doi-me a cabeça.
:) jc/.

Anónimo disse...

Ainda e antes do comprimido:

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança.
Tomando sempre novas qualidades!

jc/. Ah! Ganda Luis !

carla mar disse...

As consoantes mudas vão continuar a marcar presença em tudo o que eu escrever, em sinal de protesto. Mesmo que seja tão mudo como elas. Talvez um protesto mudo chegue melhor a um... ou vários surdos ;)

Outro, abraço armado, da resistência Lusíada!

Vieira Calado disse...

O tempo o dirá...
Agora uma coisa é certa: as línguas evoluem com o dito, e contra isso não há nada a fazer.
Um abraço

Kim disse...

Fui algo infeliz quando me referi a Camões. Antes me referisse a Pessoa ou Saramago.
Sei que o mundo é feito de constantes mutações,, mas esta ... não havia necessidade!
Apesar de tudo e como é habitual respeito todas as opiniões discordantes.
Pelus vistus tenhu de me abitoar aus momentus embarassosos pur que vou paçar.

BLOGADOR disse...

Antes deste acordo devia ter sido efectuado um outro a nível interno; um acordo ortográfico entre as línguas portuguesas: de Lisboa, do Porto, dos Alentejos, do Allgarve, das Beiras, de Miranda do Douro, de Barrancos e das regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

Anónimo disse...

NÃO CONCORDO COM AS ALTERAÇÕES.
bela

Anónimo disse...

O pior disto tudo é que ninguém leu o acordo !
jc.

carla mar disse...

O texto, deste abominável acordo, sofre de inúmeras imprecisões, erros e ambiguídades. Logo, não se verificam condições para servir de base a qualquer proposta normativa.
O Acordo Ortográfico é uma vergonha nacional.
Recuso-me a dar-lhe cumprimento.

Parisiense disse...

Ora nem mais eu como angolana que sou tambem não concordo nada com esse acordo. Cada país tem a sua maneira propria de falar e escrever...mesmo sendo numa lingua materna e comum que se chama português.
Mas eles não tem mais que inventar......se pensassem em como livrar as pessoas da pobreza e da miseria......aí sim eu aplaudia......mas não gastam milhões com coisas desnecessárias....
Gros Bisous

Anónimo disse...

Talvez conservadora

Voto contra Acordo Ortográfico

Quero continuar a ler sem dores de cabeça...

Isabel