5 de setembro de 2007

Mao Tsé Tung - o livro vermelho







Decorria o ano de 1966.
Em Portugal, eu estava na Revista Tempo e o Modo, onde não tinha qualquer responsabilidade editorial nem estava suficientemente politizado para o grito da revolta. Apenas sabia que algo tinha de mudar.
O livro vermelho de Mao Tsé Tung, era o livro mais proibido do planeta. Era impossível obtê-lo. Quem o conseguisse, tinha meio caminho andado para as masmorras de Peniche.
Agora em Nova York, o Bruno adquiriu-o, na versão inglesa, publicado na altura, simultaneamente em chinês e inglês.
Uma verdadeira raridade!
Aos meus amigos mais esclarecidos, aqui deixo esta homenagem.
Para mim, isto é chinês!

16 comentários:

Anónimo disse...

Há alguns anos li um que se intitulava "Brigadas Vermelhas de Mao Tsé Tung".
Um livro que retratava violência e muita injustiça.

I.R.

Anónimo disse...

DIGAM-ME LÁ SE ESTE DISCURSO NÃO ESTARÁ PERFEITAMENTE ACTUALIZADO:

Decorria o ano de 2007.
Em Portugal, eu estava na Revista Tempo e o Modo, onde não tinha qualquer responsabilidade editorial nem estava suficientemente politizado para o grito da revolta. APENAS SABIA QUE ALGO TINHA DE MUDAR.
O livro vermelho de Mao Tsé Tung, era o livro mais "proibido" e mais idoso do planeta, embora pudesse ser comprado em qualquer hipermercado. Era fácil obtê-lo. Porém, quem o utilizasse, tinha meio caminho andado para as masmorras da discriminação, e de ser olhado como homem do Paleolítico.
Agora em Nova York, o Bruno adquiriu-o, na versão inglesa, publicado na altura, simultaneamente em chinês e inglês.
Uma verdadeira raridade!
Aos meus amigos mais esclarecidos, aqui deixo esta homenagem.
Para mim, isto é chinês!

Seve

Anónimo disse...

Aceito o desafio,mas com esta côr prefiro o livro do Benfica, porque posso ler o que lá está escrito e ninguém me pede para aplaudir ou venerar tanta cultura.Também te alerto, que esse conhecimento todo só serve para os mais esclarecidos.
Coitados dos outros

Kim disse...

Vamos lá a ver se a gente se entende.
O livro vermelho era o livro mais proibido do planeta, à excepção dos países irmãos da China.
É evidente que na China, comprava-se em qualquer lado e até julgo que deveria ser oferecido, já que o poder de compra do povo era quase nulo.
O que está em causa no meu apontamento é apenas a aquisição do livro - agora uma raridade.
Nem sequer questiono os ensinamentos de Mao.
O mesmo se passou em relação a Álvaro Cunhal, homem que muito admiro, íntegro até ao fim. No entanto, nunca partilhei nem partilho de ideais comunistas.
Nunca quis estar politizado, para não absorver pensamentos que desvirtuassem o meu percurso.
O mundo seria bem melhor, povoado por ignorantes políticos, como eu, do que pelos iluminados dessa porca chamada política.

jose romano disse...

Parabéns Kim.Num tempo em que toda a gente pesquisa no computador,só alguém como tu e o Bruno conseguiriam esse exemplar, com o seu peso histórico.Acção digna do mais conceituado alfarrabista

Rui Salvador disse...

Boa Bruno, isso é História. Esse livro define a teoria política formulada por Mao Zedong.

O Bicho disse...

Eu não acho que seja assim.
Talvez tenham razão, ou talvez não.
Calhando, vai tudo dar ao mesmo...
Entretanto, descobri (só agora) porque me chamam Lampiao por eu ser do Benfica:
O grande responsável pela disseminação (leitura obrigatória na China Comunista) do Livro VERMELHO do Mao, foi o camarada Lim Piao.

O Bicho disse...

..e esta hã???

Kim disse...

Lim Piao? Foi limpinho!

Pantas disse...

Cu Cu.. Olá Amigos... Voltei!!! Não há para aí nenhum livro da Gina?? Esses é que me deixavam corado de Vermelho.. :):)

Anónimo disse...

Que bom a democracia...

Posso ler, escrever, ouvir, responder, contestar ou aprovar.
Posso sorrir, cantar e até dançar se quiser ou se souber...

Isso é bom, é muito bom...

I.R.

O Bicho disse...

E também há, convem lembrar, os INFRA-VERMELHOS, que são muito bons para o reumatismo e as articulações.

jromano disse...

Que bom!estes meus amigos a aparecerem, com as suas virtudes,defeitos e até vícios, é assim que eu gosto deles.
Só assim me sinto, mais um, nesta amizade.Estou vivo

Anónimo disse...

MAO, MAO, MARIA...

Bruno

Anónimo disse...

Direitos humanos

"As novas correntes para os tornozelos dos detidos na base norte-americana em Guantánamo foram apresentadas hoje..."
Reuters via Público

Anónimo disse...

vaiprocurar oq fazer!