9 de setembro de 2010

Alzheimer - Pai, afasta de mim esse cálice!

Nem sempre é fácil falar daqueles que amamos mas, às vezes, há situações que nos fazem temer a realidade que se aproxima e que inevitavelmente chegará a todos nós, se atingirmos uma provecta idade.
Há poucos dias, durante a visita habitual que faço ao meu pai, reparei que andava para trás e para a frente com um saco plástico na mão. Dentro do saco estava um velho Jogo de Damas. Eu e a minha irmã, ficámos a observar o que ele fazia e vimo-lo então tirar o velho jogo do saco, há mais de cinquenta anos património lá de casa e, entre imperceptíveis sons guturais, começa a colocar as pedras no tabuleiro. Nem quería
mos acreditar. Ele, outrora campeão de tal peleja, distribuía agora anarquicamente as pedras, misturando pretas com brancas, completamente desajustado da realidade que os seus noventa anos e o Alzheimer que o consome, já não permitem.
Aproximei-me dele dizendo-lhe que as peças estavam todas mal distribuídas. Apático e submisso fica então a ver-me colocá-las nos respectivos pequenos quadrados. As brancas dum lado, as pretas do outro.
À minha frente estava um homem que o tempo consumiu, mas dele brotavam ainda laivos de neurónios menos adormecidos.
Depois, como se nada daquele momento de olvido tivesse acontecido e após complacente troca de olhares entre nós, inicia a primeira jogada. Surpreendido com tal iniciativa, retorqui e respondi com as pretas.
Pela primeira vez na vida ele não ganhou a contenda, mas conseguiu atingir o final do jogo com a lucidez que já perdeu.
Sem mais delongas e como se eu ali não estivesse, levantou-se, cambaleou para o leito, aninhou-se no aconchego do dito e deslizou para o inconsciente.

19 comentários:

sendyourlove disse...

... o que mais me tem custado ao longo dos últimos 7 anos é ver as pessoas que amamos irem-se embora aos poucos...
...essa maldita já levou o meu avô de vez e consome agora a minha avó...
...todos os dias vimo-los partir um pouco...
...e como é difícil reconhecer neles as pessoas que nos criaram e nos ensinaram tanta coisa....

susana disse...

Triste este teu texto, mas a mais pura das realidades. O que me apavora mais, é o egoísmo de nova geração e que será de nós quando chegar a nossa vez!
beijinhos da índia cherokee (missixty)

SEVE disse...

Dói!

Teté disse...

Esta é daquelas doenças que magoa e preocupa mais os familiares que estão perto do que propriamente a pessoa que sofre dela, que deixa de ter consciência do que a rodeia...

Nunca deixa de ser triste observar a perda de faculdades daqueles que amamos, que conhecemos novos e cheios de vida e esperança. Seja por esta doença como por outras!

Beijinhos, Kim!

Maria Soledade disse...

Olá meu Amigo Kim.Porra(desculpa), fizeste-me chorar e chorar!Lembrei da minha Mãezinha que à custa de tantos AVC'S, assim foi ficando...afastada da realidade!!As suas faculdades mentais foram-se esvanecendo até ao derradeiro Adeus.Lamento tanto pelo teu Pai, tanto por ti,pela tua família...olha,eu estou a perder a capacidade de ver sofrer aqueles que mais amo!!Bom, não quero falar mais sobre essa realidade tão cruel, porque ando a ficar muito...pita chorona...
*************************************
Olha Kim, eu também ADORO Jacques Brel, mas quando era novita achava-o feinho,tadito, e então virava-me sempre para o Adamo que sempre aliava o útil ao agradável.Hoje,não passo sem o Brel no meu carro.Eu acho que gosto de tudo o que é canção dele mas as minhas preferidas continuam a ser:"La Chanson des Vieux Amants e, e, e,e...NE ME QUITTE PAS...a preferida, sem dúvida.Entretanto,Voir Un Ami Pleurer;Les Bourgois e tantas outras, ouça-as com a mesma satisfação!!
*************************************
Bom, vizinha da Laura não sou bem.Fico a cerca de 50Km da cidade dela, o que de carro se faz em 1/2 hora e de comboio talvez cerca de 3/4 de hora pouco mais ou menos.Quando eu tiver uma brechinha vou tentar conhecer-vos...Um a um,daqueles que eu admiro e gosto muito.Para já o meu tempo é passado diáriamente no hospital!!E, já vou a caminho de 13 meses a calcorretear a mesma calçada e a subir as mesmas escadas de pedra secular...É a vida!Não há crise...Dias melhores virão com certeza.

Amigo Kim, Muitos beijinhos para o teu Paizinho e para ti aquele beijinho muito especial...

MUUUUUUUUUUAAAAHHHHHHHHHHHH**********

*****Obrigada por visitares o meu "Jardim"....

Andre Moa disse...

Amigo Kim,
só não estou a chorar, porque não quero chorar pela vida. Não vou chorar nem por ti, nem por mim. Ontem fui visitar a minha mãe que tem a mesma idade do teu pai. 90 anos, até há pouco de uma lucidez impressionante. Dia-a-dia começa a quebrar. Nota-se a olho nu. Deixa-me terminar este comentário que a solidariedade me está a ditar com um tom positivo-otimista-humorista pleno de esperança: No dia em que fizeres 90 anos, quero jogar as damas contigo. Vais ganhar, de certeza, que eu não tive um mestre como tu, mas terei muito gosto em jogar contigo uma partidinha. Uma partidinha à vida, nesta vida que tantas partidas nos prega.
Abreijos
André Moa

Anónimo disse...

KIM, MESTRE KIM!

SOIS UMA PESSOA SEM IGUAL, POR ISSO E POR TANTAS OUTRAS COISAS QUE DE TE CONHEÇO, TE ADMIRO MAIS E MAIS.

BEIJOS CARINHOSOS.

SPUK

Maria disse...

Kim, meu amigo
Eu sei o que custa ver alguém que tudo nos ensinou, chegar a esse ponto. É demasiado doloroso para o descrever. A tua alma deve ter chorado lágrimas de sangue ao escrever isto.
Só te posso ajudar com a minha compreensão e um grande abraço
Maria

rosa-branca disse...

É muito triste ver quem amamos, deslizar assim pela vida sem saber sequer como e onde está. Dói sentir que aquele olhar que um dia nos repreendeu sem uma palavra, agora por vezes fale e se encontre vazio. Meu amigo que nunca façamos a prova desse cálice... é o minimo que podemos pedir. Beijos com todo o carinho

Anónimo disse...

UM ABRAÇO KIM.

XL

carla mar disse...

... abracinho...

Cristina disse...

Merci pour ce reportage.Très touchant et je sais de quoi tu parles...
Gros bisous.

Anónimo disse...

Um abraço ao teu pai.

Beijinho e bom fim de semana.

Isabel

Zé do Cão disse...

Kim

É um dos meus medos na vida. Corremos apressadamente para o seu encontro.Felizes os que se vão de repente.
Estou a viver um terrível drama com os sogros.

Abraço

JE VOIS LA VIE EN VERT disse...

Caro amigo Kim,

Como entendo o que estás a sentir !
É muito complicado e doloroso ver as pessoas que amamos mudarem desta forma ou doutra - a minha mãe, 90 anos, não tem alzheimer mas senilidade e ela própria diz que está a perder a cabeça porque esquece-se de tudo e faz as mesmas perguntas vezes sem conta como as crianças.
Temos a sorte de ainda ter os nossos pais vivos mas também sofremos por causa disso.
C'est la vie, mon cher ami et il ne nous reste qu'à l'accepter.

Beijinhos
Até breve
Verdinha

Anónimo disse...

Abraço Kim.
jc/.

Magia da Inês disse...

Olá, amigo!
Muito triste... mas é a vida!
Boa semana!
Beijinhos para você e seu pai.
Itabira
Brasil♥

Parisiense disse...

Dizes bem " Pai afasta de mim esse cálice"...
È algo tão duro, mas tão duro que só quem por lá passa é que sabe o quanto doí.....
As pessoas que tanto amamos e que tanto nos amaram, ficarem a olhar para nós como prefeitos desconhecidos.....

Beijinhos lindo e até sábado.

Ângelo disse...

Começou com C3-D4?
Um abraço e força.