14 de janeiro de 2010

Outros tempos

Até que a voz me doa e o cansaço não se acerque, aqui virei abordar um pouco de tudo mesmo não agradando a todos.
Tenho um amigo, com nome santificado, que costuma citar um seu amigo, dizendo que Deus é bom, mas o diabo também não é mau. Desta forma concilia a possibilidade de ganhar uma poltrona em lugar divino não descurando a hipótese dum simples banquinho nos quintos dos infernos. Nunca se sabe como estará a nossa cotação na hora da despedida.
É que as criancinhas que eu amo, são a melhor coisa do mundo, mas também uns diabinhos à solta quando não devidamente penitenciados desde tenra idade.
E os culpados são os pais, porque deles partem todas as veleidades que o amor às ditas cujas vai permitindo.
Então pode-se lá ignorar que um fedelho faça birrinhas de mimado, por tudo e por nada, até que lhe seja prestada vassalagem?
Claro que não, mas também há pais que jogam no mesmo clube. Hoje a condescendência com a miudagem ultrapassa as raias do razoável e depois acaba com pais e filhos metidos no mesmo saco.
Os meninos querem tudo e tudo têm, mesmo os que nada têm.
Têm influência nos pais porque não tiveram educação. Têm influência nos professores porque os pais lhes deram força. Têm influência na vida porque desprovidos de senso estão.
Abomino tons em dó maior e lamento que a resolução dum problema aconteça com o beneplácito paternal, já que os pais de ontem têm medo dos filhos de hoje.
Tenho de escrever criptado, não vão elas entender e eu ser mais um enjeitado!
Não é fácil ser adulto!?

22 comentários:

Anónimo disse...

Oh! Mestre KIM

Tens plena razão, em tudo principalmente a dizer que a culpa são dos pais.

Bichodeconta disse...

Kim mais um tema a dar pano para mangas e no qual a minha concordancia contigo é total!Tive um pai maravilhoso , termo, inteligente, mas que nem precisava de ralhar muito ou bater.Todos sabíamos o que queria dizer um olhar mais demorado do pai, uma palavra dita num tom mais sonante.Os trabalhos de casa eram zelosamente inspeccionados, e se na escola havia algum pequeno zum zum que lhe chegava aos ouvidos, a culpa era invariavelmente nossa, nunca dos professores a quem aprendemos a respeitar.Obrigada pai por nos teres deixado este legado.A nossa pobreza era só de dinheiro, não de espírito..E palmada na hora certa em alguns diabretes possivelmente não parte osso. Passamos ao outro extremo, onde para além da falta de educação com que se dirigem aos professores, há a possibilidade de um filho teu ser baleado porque um amigo, por graça leva prá escola a arma do pai. Voltarei ao assunto, não estás errado acredita, e já agora, diz a esse teu amigo que não conheço, que há muitos anos, na ida para exame de código, as colegas iam nervosas demais, liam na barra da saia as cábulas feitas e admiravam-se de mim que ia calma e sem livros.E quando elas diziam Deus me ajude eu replicava em ar de graça(maluca) E que o Diabo não se esqueça de mim.Era um sacrilégio.A verdade é que eu ria a pensar na hipotética briga entre o Deus e o Diabo , cada um a tentar fazer valer seus préstimos.Não sei qual deles me ajudou, ou melhor, até sei..A verdade é que de um autocarro de 33 pessoas vieram 5 carimbos azuis, os restantes eram vermelhos, sendo que alguns eram repetentes.a AJUDA VEIO DE MIM, QUE SEMPRE QUE ME PONHO A FAZER O QUE QUER QUE SEJA O FAÇO COM ESPIRITO DE QUEM NÃO QUER PERDER, NEM A FEIJÕES.um ABRAÇO, E NÃO ACHEM ARROGANCIA, CADA UM DEVE CONHECER AS SUAS CAPACIDADES E NATURALMENTE FAZER USO DELAS NA HORA CERTA.um BEIJINHO, ELL

silvi disse...

É bastante dificil falar sobre um tema tão complexo como este pois sou mãe de 2 meninas, mas ás vezes quando existem birras, uma palmada na hora, não custa nada, mas temos que ver o ponto de vista da criançada, pois já fomos como eles, bjs silvi.

Anónimo disse...

Às vezes é assim...
Além de lhes proporcionar tudo o que precisam, ainda cometo alguns excessos para os ver sorrir.
São uma extensão de mim e faço tudo ou quase tudo para os ver felizes.
Por vezes repito vezes sem conta as regras e fico a pensar se valeu a pena o desgaste.
Outras vezes recebo a resposta em atitudes e fico feliz.
Não sou adivinha para prever o futuro. No entanto nada faria ou faz sentido sem eles.
Este é o meu tempo e o deles também...

Um beijinho para todos

Isabel

Andre Moa disse...

Vm aqui ao pé coxinho
e saio devagarinho
p'ra não acordar ninguém.
Só p'ra dizer que ainda agora
amo a minha professora
como amo pai e mãe.

Abraço. André Moa

Teté disse...

Engraçado é que quase todos os pais reconhecem esse fraco espírito paternal e disciplinar... nos filhos dos outros, nunca ou só muito raramente nos próprios! ;)

Beijocas, Kim!

Anónimo disse...

Seve disse....

BichodeConta disse tudo e bem!

jrom disse...

Não posso dizer, que com os nossos filhos exista excesso de protecção,porque a protecção nunca é demais,mas quando eu oiço que uma criança partiu um brinquedo todo,é um super-dotado, visto pelos paizinhos, claro.
Noutras situações nem sequer deixam, que cerebros frescos, com a capacidade de se desnvolverem,o façam, porque lhes fazem todas as vontades e desenvolvem autenticos "cromos".
Os resultados não são animadores.
Abençoada tareia que a D. Clara me deu e isto não é ser masoquista,mas quando isto aconteceu eu estava a ser bem torto e era uma criança.
Jrom

Anónimo disse...

Joaninha disse;
A minha stora da primeira classe, um amor, réguadas, meia dúzia delas. A segunda? boa, boa, boa, uma senhora querida mas, faltava-lhe um bocado de coração! Réguadas, meia dúzia, por aí. Boas recordações e nunca me comportei mal, sabia qual o meu lugar, aliás, sabia-o em todo o lado, como hoje ainda sei, só que já aprendi mais matemática mais de tudo!
Os filhos? dois rapazes,excelentes alunos. reclamações? só de malandrice ou falta de estudo numa certa disciplina!
Hoje, vê-se o que se vê, porque deixamos que chegassem a isso, porque se não é certo que nos batam nos filhos, a não ser que haja uma boa razão, também não é certo que os filhos e os pais, achincalhem os professores!
Amigo Kim, cá para nós, os pais são os mais culpados de tudo, e ponto final!
Aquele abraço. Joaninha voa voa!
O meu blogue pifou, foi ás urtigas, mas eu faço outro.

Parisiense disse...

Como é dificil ser adulto.....lá isso é verdade.
Os papeis inverteram-se e a coisa está complicada para os pais, mas a maior culpa é deles....apesar de muitas vezes se desculparem acusando a sociedade.
A sociedade somos nós que a fazemos.

Nunca apanhei nenhuma palmada ( porque era muito magrita...hihihihi) mas castigos foi as centenas para não dizer milhares....ahahahahah

E traumas???? Nenhum.

Beijokitas á tua nina.
Bisous à toi mon ange.

Maria disse...

Kim

Se te respondesse tudo o que penso a esse respeito, nunca mais daqui saíamos. Além de que corria o risco de ser mal interpretada.
Assim, só te posso dizer que, estamos de acordo em muita coisa.
Tenho pena das crianças, sabes? São os menos culpados e os mais sacrificados, em alguns aspectos.
Beijinho
Maria

Anónimo disse...

Seve disse...

Oh Bichodeconta sabias que existe em Portugal uma editora com o nome "Bichinho de Conto" ?

Anónimo disse...

Seve disse....

Mas depoois vem o Eduardo Sá (o vozinha de mel) e equiparados, a dizer que não se bate no menino que fica traumatizado.....então é vê-los a voltarem-se à Mãe/Pai à chapada ainda mal andam....

RS disse...

Muito bem Mestre Kim.
Vivemos a época da tirania dos adolescentes, que está inserida numa sociedade em crise de valores.
O mundo parece estar a pedir mais uma "guerrazita".

Laura disse...

Olá Kim; realmente, até me ri com o Seve, na verdade os meninos de hoje, chegam a ir às fuças do pai e da mãe e ainda querem ir à dos outros, também, enfim!... cada um educa os seus e o pior é que não são eles que os aturam, mais tarde, caem-nos em cima em prepotência, vivendo ao nosso lado, a trabalhar junto de muitos que são ainda, educados, e, aí está o conflito. Até trabalham para nós, mas, se faz favor...temos que levar com a malcriadice deles nas repartições Públicas e por aí fora! E vivam os meninos da mamã...
Louvado seja Deus! Ai as minhas storas, com elas não se brincava. A minha Mdrinha era professora, era eu miúda, por altura de férias do meu pai, fui para a escola dela, para não perder aulas, andava na segunda classe, pelos vistos estava a fazer barulho a mais na treta com a colega de carteira, pimba, levei logo com a cana na cabeça, e, ela era a irmã da minha mãe, xiça!...qual parentesco, ela era conhecida por ser uma stora pronta a dar nas fuças de quem precisasse, acho eu! será que eu precisava? óóóó, mas, levei...
Beijinho. laura

francisco disse...

Falando sobre conflitos de gerações, o médico inglês Ronald Gibson começou uma conferência citando quatro frases:

1) "Nossa juventude adora o luxo, é mal-educada, Goza da autoridade e não tem o menor respeito pelos mais velhos. Nossos filhos hoje são verdadeiros tiranos. Eles não se levantam quando uma pessoa idosa entra, respondem a seus pais e são simplesmente maus."
2) "Não tenho mais nenhuma esperança no futuro do nosso país se a juventude de hoje tomar o poder amanhã, porque essa juventude é insuportável, desenfreada, simplesmente horrível."
3) "Nosso mundo atingiu seu ponto crítico. Os filhos não ouvem mais seus pais. O fim do mundo não pode estar muito longe."
4) "Essa juventude está estragada até o fundo do coração. Os jovens são malfeitores e preguiçosos. Eles jamais serão como a juventude de antigamente. A juventude de hoje não será capaz de manter a nossa cultura."

Após ter lido as quatro citações, ficou muito satisfeito com a aprovação que os espectadores davam às frases
.
Então, revelou a origem delas:

- A primeira é de Sócrates (470-399 a.C .)
- A segunda é de Hesíodo (720 a.C.)
- A terceira é de um sacerdote do ano 2000 a.C.
- E a quarta estava escrita em um vaso de argila descoberto nas ruínas da Babilônia (Atual Bagdá) e tem mais de 4000 anos de existência.

FR

Laura disse...

FR, e, pela parte que me toca; digo que não é assim; Os meus filhos são o máximo em trabalho, educação, humanidade!... igual, assim, passe à frente ehhhh, mas pelos meus, isso não existe, respeitam e querem ser respeitados! Ahhhh.
Claro que há um filho que já é o oposto assim como há muitos filhos tiranos, maus, etc. etc...
Os sábios do passado, referiam-se aos deles, evidentemente!...Até o sacerdote já tinha filhos, ah, ganda pecador!Ou será que a Lei naquele tempo era diferente?
Beijinho da laura

Bichodeconta disse...

Bichodeconta não fala !Beijinho e até amanhã.Virei aqui dar mais umas alfinetadas ehehehBom final de semana, Ell

Maria Soledade disse...

Amigo Kim, mais um tema bastante polémico.Eu não sou a favor da violência para com as crianças,aliás,para com ninguém.Sempre tentei educar a minha filha dentro dos padrões que aceitava como correctos, pelo menos para mim, ou seja:Nunca lhe permiti a mais pequena falta de respeito não só para nós pais como para com professores e a sociedade de uma forma geral.Nisso,acho que não falhei como educadora, porque ela sempre foi corretíssima durante todo o seu periodo escolar.No entanto,falhei e muito, no excesso de mimo.Procurei dar-lhe sempre muito amor, muita atenção,e dentro dos possíveis tudo o que ela pedia.Não que eu desse a pensar na moeda de troca, mas hoje sinto que ela não corresponde a tanto amor dispensado ao longo de 23 anos.Lá diz o velho ditado:"É-se preso por ter cão, e preso por não ter"!Será que se tivesse sentido a falta de tanto mimo hoje seria diferente?Não sei...Sei que pelos menos Muito Educada é, sim, porque nesse aspecto sempre fui muito rígida(falando, nunca batendo), e ela quase sem querer aprendeu a respeitar o próximo.

Teria que encher páginas sobre este assunto mas fico-me pela sinceridade do que fiz de bom e de mau, talvez...

Beijinho

Zé do Cão disse...

Sou do tempo em que ao fazer um ditado e não sabia como se escrevia uma palavra, apanhava uma mosca (ainda hoje as apanho, com a maior das facilidades), metia-a no tinteiro
(aquele recipiente de porcelana, colocado no buraquinho da carteira)e depois com o aparo, e ajuda da mosca fazia um borrão tal que ir impossível saber se estava bem ou mal escrito.
A prf. estranhava tanto borrão e quando descobriu (há sempre um bufo ao nosso lado) me deu com a menina dos 5 olhos na palma da mão.
Era o tempo em que no caderno de problemas a última folha era a folha das soluções. Quando a prof. perguntava se fizeram os trabalhos de casa, tinha-os sempre feitos era exemplar. Quantas vezes punha números e números ao acaso e no final o resultado tirado desse folha. Cheguei a ganhar um chocolate, por fazer sempre esses trabalhos. Quando descobriu (há sempre um bufo ao nosso lado)lá recebi a visita da menina dos 5 olhos.
Tempos de que tenho saudades...

Laura disse...

Aproveito para desejar, feliz fim de semana, em amor, paz, alegria...um abraço apertadinho da dolce...laura

Laura disse...

ah, esqueci de dizer que estou foraaaaaaaaaaa...na maior..um xi, laura