2 de novembro de 2011

Adeus tristeza!

Quando era adolescente, tirocinante de paquete, trabalhei dois anos num escritório de advogados, nas barbas do Chiado. Ali começou a travessia do passado que me levaria às esquinas do futuro, aquele que fez de mim um homem feliz. Nesse tempo a estátua de Fernando Pessoa, que é hoje um presque ex-libris dos poetas, não existia e as mulheres já eram todas bonitas.


Daqui partiu a esperança que me fez descobrir terras nunca dantes navegadas, na estranja, ou onde o diabo o pão amassou.


Desde então, o Chiado faz renascer a fénix que há em mim.



Eu, que não sou muito virado a poesias, talvez inspirado por alguma musa, e agora em memória dum grande poeta amigo que partiu há pouco, reedito este poema que um dia me saíu da pena.

Pode o engenho e arte
No Chiado me descobrir
De mim lá ficou parte
Quem me fazia sorrir

Foram dias, foram tempos
Aqueles que não voltaram
Foram fortes, foram ventos
Aqueles que me guiaram

Por lá me quedei um dia
Quando na vida despertei
No despertar dessa via
Outra vida eu inventei

Inventei fugas e dores
Partidas e chegadas
Amores e desamores
Estórias tão contadas

Corri mundo sem nada
De tudo me despojei
Do muito eu fiz nada
Do despojo já não sei


Dormi noites, dormi dias
Noites que eu não dormi
Dos dias que eram vias
Das vias que percorri


Perdi-me depois no vento
Esqueci de quem eu era
Ao tempo eu dei alento
Ao alento dei a espera

E um dia regressei
Tão triste como parti
Ao mundo o olhar dei
À vida que já vivi


Pessoa, poeta que és
Quero-te a meu lado
Deixa chegar-te aos pés
Perdoa este meu fado

O poema é ridículo
E não é carta de amor
Se não fosse ridículo
Seria carta de dor


... e contá-las-ei (as estórias), "até que a voz me doa"!

17 comentários:

LopesCa disse...

Também gosto muito da zona do chiado :)

rosa-branca disse...

Olá Kim, quem disse que é ridículo fazer rimas da nossa vida? Então eu sou a mais ridícula à face da terra. Gostei sim senhor...adorei as quadras com aroma de saudade. Quanta a Lisboa é e será sempre a bela Lisboa à beira-mar plantada. Beijos com carinho

FlorAlpina disse...

Gostei!
Desde o título à ultima frase!

Bjs dos Alpes

Anónimo disse...

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.

Qual porém é a verdadeira
E qual errada, ninguém
Nos saberá explicar;
E vivemos de maneira
Que a vida que a gente tem
É a que tem que pensar.

(Fernando Pessoa)

Mestre!
Um grande e gordo abraço.

Isabel

Isabel

Teté disse...

Há quem diga que em cada português existe um poeta mas, embora isso me pareça um exagero, por vezes deixamo-nos conduzir pelo limbo onde a alma poética vagueia... :)

Beijocas, Kim!

Maria disse...

Kim,amigo
Gostei da história em verso.
No Chiado passei dos melhores momentos da minha juventude.Perdia-me pelas livrarias, enquanto as outras se perdiam pelas lojas de modas.
Juntávamos-nos na Bénard, para o cházinho da tarde. "No Chiado, à tardinha...". Castanhas e violetas. Damas bem vestidas e perfumadas, as pobres violeteiras, tão roxas de frio que se confundiam com as flores, os homens das castanhas...
Ai Chiado da nossa juventude!
Beijinho, amigo
Maria

Janita disse...

Querido amigo Kim.
Já me tinhas falado neste poema, mas ...juro, nunca pensei que fosse tão belo!
Fosse quem fosse a musa inspiradora, a alma e o sentimento são teus.
É lindo!

Kim, desejo-te uma boa viagem e estadia lá pelos states e não te esqueças de dar um beijo meu ao Bruno. Faz lá um vídeo e depois mostra, Ok?

Beijinhos meu querido e diverte-te.

Je Vois La Vie en Vert disse...

E cá estarei para as ouvir e ler, amigo Kim !
Estive nesse zona no domingo passado porque demos um concerto na bela Igreja dos Mártires donde tirei algumas fotos e que coloquei no blog que conheces mas infelizmente tinha vindo "de boleia" e o "motorista" não quis ficar. Estava um dia bonito, gostava muito ter ido passear pela baixa...
Estou a ver em vários sítios que vais para os States. Espero que encontres todos bem, particularmente o teu filho.
Tens andando muito caladinho nos emails, muito trabalho provavelmente e uma certa letargia após o desaparecimento do nosso amigo, não ? É também um pouco como me sinto, parece que tenho um grande cansaço porque a luta acabou...
Abreijos, meu amigo !
Verdinha

Anamaria disse...

Gostei da sinceridade, Kim, você é um homem autêntico, isso é o que há de melhor! Bom fim de semana, beijinhos

Evanir disse...

Que você seja um grande empreendedor.
Quando empreender, não tenha medo de falhar.
Quando falhar, não tenha receio de chorar.
Quando chorar, repense a sua vida, mas não recue.
Dê sempre uma nova chance para si mesmo.
Augusto Cury.
Meu eterno carinho .
Um feliz final de semana
Viva a vida você tem obrigação de ser feliz.
Viva com alegria cada segundo como se fosse o ultimo.
Eu sou feliz a unica coisa que podera
me abater é viver sem o carinho e sem amor.
Esse carinho que recebo no blog.
Da outro sabor na minha vida.
Eu não preciso de nada sómente
do seu carinho.
Bjs,e Bjs.
Evanir.
Um dos poemas mais belos que ficara no meu coração com outros que já tenho como preferido.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Também sou fã do Chiado, amigo Kim. Pelas mulhers bonitas que lá passam, claro está...

Magia da Inês disse...

♡°
º✿
º° ✿✿♡°
Kim, amigo!
Que bacana!!! Também escreves poesia...
Bom fim de semana.
Beijinhos.
Brasil
º✿
º° ✿✿♡°

Laura disse...

Que eras Poeta há muito que o descobri, um contador de histórias, isso também já vi.

Dás-nos belos momentos de poesia e prosa nos feitos que a vida te fez passar, e entre risos contas, as horas que o diabo, o pão, te ajudou a amassar...

Gosto muito de ti, tanto assim.

Apertadinho abraço.

laura

Zé do Cão disse...

Kim

Se todos fossemos poetas, a nossa desgraça de vida contada em poesia era fenomenal. Chiado, onde Chiei 4 anos no tempo em que frequentava a Veiga Beirão e o cinema Loreto, sob o olho observador do Camões e onde me lambuzava comendo uma bola na pastelaria ao cimo da rua do Alecrim....
Afinal, tu é que me surpreendes.
Abraço e boa viagem, fazes parte da comitiva C.S. em visita ao Obama?

BlueShell disse...

Para quem não é "muito de poesia" esta reedição foi um presente que recebi de coração aberto.
Honra a minha poder te ler.
Obrigada!

O Bicho disse...

Excelente "tirada" de poesia popular.

Adriana Vargas disse...

Adorei a ultima estrofe...
Concordo plenamente, embora, muitas pessoas hoje diz que o amor é um sentimento ridículo, pois tão facilmente é substituído pelo prazer imediato do capitalismo.

Agradeço pela visita, e espero que retorne!
Aqui segui-te, e trago um abraço dos novos autores do CLUBE.
ao seguir por lá, você concorrerá todo dia 10, a três livros.
Um beijo!

Adriana Vargas
CLUBE DOS NOVOS AUTORES