22 de julho de 2012

Sem ti - MÃE!

No já distante ano de 1952, um ano depois de eu nascer, eras assim. Lembras-te?

A terra vã que te acolhe no seu regaço, dorme já sobre a mágoa que não pensei. Os anos correm mais rápido e os dias escorrem-me das mãos, em direcção a ti. Percorro as ruas da memória com a mesma alegria que me incutiste e reergo o canóculo da saudade, focando o distante nascente das nossas vidas. Perco-me na rua das palavras que te disse, nas horas que te não vi, nos beijos que desejei. Povoam-me, o imaginário que me legaste, a rebatinha dos dias férteis, as velhas de roupa preta, os putos esmoncados, o gajato no fundo da escada, o enlevo da mãe-madrinha, os serões da aldeia, quiçá da montanha. Depois vinha o regato do pinhal, os girinos cabeçudos, único peixe vivo que conhecia, e lá no fundo ouvia sempre o teu chamamento, qual lancinante grito que projectavas para os ares, em busca de mim. 
Hoje, sou eu quem te chama e te não encontra, no entorpecimento mental que este dia me costuma trazer. 
Fica-me o quamanho orgulho de te ter tido por matriarca, qual confidente dos meus pecados, das minhas paixões, das minhas loucuras, dos meus desaires, das minhas vitórias.
Espera-me um dia, no alvo fastígio do inimaginável, sabendo que te reencontrarei e te voltarei a cobrir de ósculos e abraços, que nem o infinito desenlaçará.
Perdoa-me o apóstata que às vezes sou! Deixa-me dizer-te o que um homem já não diz! Deixa-me sonhar e imaginar-te aqui!
Hoje dir-te-ia que, oitenta e oito anos era uma idade linda!
Dir-te-ia, mas não posso!
Parabéns, mãe!




14 comentários:

Janita disse...

Meu querido Amigo, Kim.
Podes dizer tudo o que sentes, uma Mãe tudo compreende e não há idade para falar de sentimentos.
Oitenta e oito anos seria e é, uma linda idade, uma vez que as nossas Mães permanecem sempre vivas na nossa memória.
Parabéns a ambos, meu doce e querido Amigo!
Beijinhos e um grande abraço, daqueles bem apertados, Kim!

Je Vois La Vie en Vert disse...

Meu querido amigo Kim,
Estou tão emocionada ao ler esta tão bela declaração de amor à tua mãe que até tenho medo de quebrar esta ternura mágica com as minhas palavras.
Meus parabéns à esta grande senhora que gerou 3 filhos de grande categoria e que reconheço nos traços do seu lindo rosto.
Muitos beijinhos para ambos.

Verdinha

Maria disse...

Beijinho amigo.
Petite Marie

Zé do Cão disse...

meu bom amigo
Extraordinário sentimento por quem amas.
Estes são os amores que nunca são perdidos e prevalecem enquanto por cá passamos.
Um abraço

Anónimo disse...

Mestre e meu amigo.
Um beijo grande

Isabel

Anónimo disse...

"jr" amigo
o meu abraço
o.r.

Teté disse...

Mãe há só uma... e essa vive connosco até ao fim dos nossos dias, nas nossas memórias mais ternas! :)

Uma beijoca, amigo Kim!

Pascoalita disse...

Um rosto lindo (és parecido com ela)

É triste sabe-los ausentes, mas como dizes, um dia voltarão a encontrar-se e então será para sempre!

Um
beijo da Pascoalita

Green Knight disse...

Palavras para a Minha Mãe

mãe, tenho pena. esperei sempre que entendesses
as palavras que nunca disse e os gestos que nunca fiz.
sei hoje que apenas esperei, mãe, e esperar não é suficiente.

pelas palavras que nunca disse, pelos gestos que me pediste
tanto e eu nunca fui capaz de fazer, quero pedir-te
desculpa, mãe, e sei que pedir desculpa não é suficiente.

às vezes, quero dizer-te tantas coisas que não consigo,
a fotografia em que estou ao teu colo é a fotografia
mais bonita que tenho, gosto de quando estás feliz.

lê isto: mãe, amo-te.

eu sei e tu sabes que poderei sempre fingir que não
escrevi estas palavras, sim, mãe, hei-de fingir que
não escrevi estas palavras, e tu hás-de fingir que não
as leste, somos assim, mãe, mas eu sei e tu sabes.

José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"

Um grande abraço
jrom

Green Knight disse...

Palavras para a Minha Mãe

mãe, tenho pena. esperei sempre que entendesses
as palavras que nunca disse e os gestos que nunca fiz.
sei hoje que apenas esperei, mãe, e esperar não é suficiente.

pelas palavras que nunca disse, pelos gestos que me pediste
tanto e eu nunca fui capaz de fazer, quero pedir-te
desculpa, mãe, e sei que pedir desculpa não é suficiente.

às vezes, quero dizer-te tantas coisas que não consigo,
a fotografia em que estou ao teu colo é a fotografia
mais bonita que tenho, gosto de quando estás feliz.

lê isto: mãe, amo-te.

eu sei e tu sabes que poderei sempre fingir que não
escrevi estas palavras, sim, mãe, hei-de fingir que
não escrevi estas palavras, e tu hás-de fingir que não
as leste, somos assim, mãe, mas eu sei e tu sabes.

José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"

Um grande abraço
jrom

rosa-branca disse...

Olá Kim, deixaste-me emocionada com essa declaração de amor, que certamente ela já leu no teu sentir. Esteja ela onde estiver, é e será sempre o teu anjo da guarda. Adorei meu amigo e deixo um grande beijo e uma rosa branca do meu modesto jardim.

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Sempre é tempo para se dizer parabéns à nossa mãe,esteja ou não ao nosso lado. Em 2008, comemorei o centenário de minha, com bolo e velinhas. Ela partira aos 73 anos de idade. Foi uma grande festa em família.
Elas estão sempre em nossas lembranças.

Um abraço, Kim,
da Lúcia

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Caro amigo Kim
Passo para o cumprimentar e dizer que estou de regresso depois de uma ausência (relativamente) prolongada.
Estou certo que a senhora sua Mãe, esteja onde estiver, terá gostado desta belíssima homenagem.
Grande abraço

☆•.¸.Mildred.¸.•☆ disse...

Uma homenagem muito comovente!
E eu que nunca poderei fazer uma assim!
Filha não desejada e bastante pouco amada!!!